'Duelo' para campeão de surf nas praias portuguesas

O "duelo" pelo título de campeão mundial de surf de 2013, entre o australiano Mick Fanning e o norte-americano Kelly Slater, vai prosseguir em Peniche ou Cascais, entre 09 e 20 de outubro, no Rip Curl Pro by Moche.

Depois de se ter estreado a vencer em França, na sexta-feira, Mick Fanning, campeão do Mundo em 2007 e 2009, consolidou a liderança do "ranking" do circuito mundial, com 51.900 pontos, mais 6.000 do que o lendário Slater, 11 vezes vencedor do cetro máximo da modalidade, e com larga vantagem sobre o sul-africano Jordy Smith e os compatriotas Taj Burrow ou Joel Parkinson, que ainda têm hipóteses matemáticas de chegar ao título.

Apesar da proximidade, Fanning é o único que tem a possibilidade de se sagrar campeão do Mundo em Portugal, necessitando para isso que se verifique uma das três conjugações: vence o campeonato e Slater não chega às meias-finais; chega à final e Slater não chega à quinta ronda nem Smith vence a prova; perde nas meias-finais, Slater não chega à quinta ronda e o vencedor não é nem Smith, nem Burrow, nem Parkinson.

Fanning, de 32 anos, tem pautado o ano pela regularidade - o seu pior resultado foi um nono lugar em Trestles - e, apesar de só ter vencido à oitava etapa, chega a Portugal com vantagem perante o "quarentão" Slater, que celebrou triunfos em Gold Coast e nas ilhas Fiji, mas em dois campeonatos não foi além da terceira ronda.

Peniche, palco de vitórias do australiano em 2009 e do norte-americano no ano seguinte, não tem sido muito favorável aos agora principais candidatos à sucessão do detentor do título, Joel Parkinson, uma vez que Fanning desde que venceu não foi além da terceira (2010 e 2011) e quinta rondas (2012) e Slater, depois da eliminação na repescagem na estreia, perdeu uma final (2011) e foi eliminado na terceira ronda (2012).

O circuito de 2013 tem sido pródigo em vencedores diversificados e Slater foi o único a "bisar", num historial que conta com o brasileiro Adriano de Souza [Bells Beach], o sul-africano Jordy Smith [Rio de Janeiro] e os australianos Parkinson [Bali], Adrian Buchan [Polinésia Francesa] e Taj Burrow [Trestles].

Daí que, atrás de Fanning e Slater surjam oito surfistas separados por cerca de 10.000 pontos, ou seja, tanto quanto vale um triunfo numa etapa. São os casos de Smith (39.700), Burrow (39.400), Parkinson (38.950], que ainda aspiram a chegar ao título final, mas também Julian Wilson (34.050), que defende a vitória conquistada em Peniche em 2012, Michel Bourez (30.500), Josh Kerr (30.100), Souza (29.200) e Kai Otton (29.100).

Ilustradoras desta dispersão foram as meias-finais do recente Quiksilver Pro France, nas quais, além dos "crónicos" Fanning e Parkinson, estiveram os brasileiros Gabriel Medina, finalista em Peniche no ano passado, e Filipe Toledo, que eliminou Slater da competição.

Afastado do topo do "ranking" e também da competição, devido a uma lesão no ligamento do joelho esquerdo, tem estado o primeiro e único português a disputar o circuito, Tiago Pires, cujo regresso poderá ocorrer na prova lusa.

"Saca" apenas disputou as duas etapas australianas, contabilizando uns modestos 2.250 pontos, graças ao 25.º lugar no Quiksilver Pro Gold Coast e ao 13.º posto no Rip Curl Pro Bells Beach, que o deixam no 35.º lugar da hierarquia, apenas à frente do australiano Owen Wright, que também só esteve na Austrália, e do brasileiro Heitor Alves, que competiu somente nas Fiji.

Caso as ondas portuguesas não sejam suficientemente esclarecedoras na "luta" pelo cetro de campeão do Mundo, as havaianas de Banzai Pipeline serão certamente, uma vez que vai ser, como tradicionalmente acontece, o palco da derradeira etapa, o Billabong Pipe Masters, entre 08 e 20 de dezembro.

Provas do Circuito Mundial de surf em Portugal:

2012 - 10.ª etapa, Rip Curl Pro Portugal, em Peniche, vencedor Julian Wilson (Austrália).

2011 - 9.ª etapa, Rip Curl Pro Portugal, em Peniche, vencedor Adriano de Souza (Brasil).

2010 - 8.ª etapa, Rip Curl Pro Portugal, em Peniche, vencedor Kelly Slater (EUA).

2009 - 9.ª etapa, Rip Curl Pro Search, em Peniche, vencedor Mick Fanning (Aus).

2002 - 7.ª etapa, Figueira Pro, na Figueira da Foz, incompleta.

2000 - 10.ª etapa, Figueira Pro, na Figueira da Foz, vencedor Rob Machado (EUA).

1997 - 9.ª etapa, Buondi Sintra Pro, em Sintra, vencedor Michael Campbell (Aus).

1997 - 10.ª etapa, Expo 98 Figueira 97, na Figueira da Foz, vencedor Shane Powell (Aus).

1996 - 12.ª etapa, Coca Cola Figueira 96, na Figueira da Foz, vencedor Matt Hoy (Aus).

1990 - 13.ª etapa, Buondi Pro, na Ericeira, vencedor Tom Curren (EUA).

1989 - 15.ª etapa, Buondi Instinct Pro, na Ericeira, vencedor Rob Bain (Aus).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.