Cancellara vence Volta à Flandres pela segunda vez

Ciclista suíço superou a concorrência de Peter Sagan e voltou a vencer a prova belga.

O ciclista suíço Fabian Cancellara (RadioShack) aproveitou o último "muro" da Volta à Flandres para se desembaraçar do eslovaco Peter Sagan (Cannondale) e vencer pela segunda vez a grande "clássica" belga, neste domingo.

Sem a oposição do belga Tom Boonen (Quick Step), que abandonou na sequência de uma queda (20 km) e perdeu a oportunidade de se tornar o primeiro a vender a "Ronde" quatro vezes, os 256 quilómetros de corrida entre Bruges e Ourdenaarde foram, como se previa, um duelo entre Cancellara e Sagan, que têm manifestado pouca simpatia um pelo outro.

No final, "Spartacus" foi mais forte do que "Terminator". O suíço, vencedor em 2010, chegou isolado e terminou a prova em 6:05.58 horas, ou seja, com 1.26 minutos de vantagem sobre o eslovaco, que bateu com facilidade o belga Jurgen Roelandts na luta pela segunda posição, enquanto o norueguês Alexander Kristoff cruzou a meta em quarto, a encabeçar um primeiro pelotão.

Os dois favoritos desta 97.ª edição desencadearam uma luta feroz nas duas últimas subidas da corrida. Sagan, embalado pelas seis vitórias da época, seguiu a roda de Cancellara na derradeira passagem pelo Kwaremont, onde Roelandts tomara a dianteira, depois de se desagregar uma fuga de sete corredores: Kwiatkowski (Quick-Step), Greipel e Sieberg (Lotto), De Vreese (Topsport Vlaanderen) e Tjallingii (Blanco).

Com o belga alcançado a 16 quilómetros da chegada, Cancellara, vindo do triunfo na "clássica" E3 Erelbeke, "apertou" o andamento nas rampas empedradas do Paterberg, a 13 quilómetros do final, e decidiu a corrida naquele que era o 15.º e último "muro" do dia (20% de inclinação máxima), onde Sagan e Roelandts foram incapazes de responder.

"O objetivo era ganhar. Nunca podemos prever de que forma, mas é fantástico ganhar. Há um ano eu estava de rastos. Nunca é fácil, mas estou muito feliz. Foi uma corrida estranha. Rápida no início. Não havia muitos corredores no final, mas a minha tática foi a correta. Toda a gente esperava que eu atacasse. Tentei fazer a primeira seleção no Kwaremont. Adoro o empedrado e, depois disso, fiz o que tinha de fazer", afirmou.

Sozinho na frente, o helvético, de 32 anos, lançou-se numa cadência forte e regular rumo à chegada para conquistar a sua quinta vitória em grandes "clássicas" e elevar a 83 o número de triunfos do seu currículo, em que constam um título olímpico (2008) e quatro títulos mundiais de contrarrelógio 2006, 2007, 2009 e 2010).

Enquanto decorria a prova, Tom Boonen foi transportado ao hospital e os exames não revelaram fraturas, mas as contusões na anca e numa clavícula devem afastá-lo do próximo grande encontro, marcado para 07 de abril: o Paris-Roubaix.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?

Premium

Jan Zielonka

A política na era do caos

As cimeiras do G20 foram criadas para compensar os fracassos das Nações Unidas. Depois da cimeira da semana passada na Argentina, sabemos que o G20 dificilmente produzirá milagres. De facto, as pessoas sentadas à mesa de Buenos Aires são em grande parte responsáveis pelo colapso da ordem internacional. Roger Boyes, do Times de Londres, comparou a cimeira aos filmes de Francis Ford Coppola sobre o clã Corleone: "De um lado da mesa em Buenos Aires, um líder que diz que não cometeu assassínio, do outro, um líder que diz que sim. Há um presidente que acabou de ordenar o ataque a navios de um vizinho, o que equivale a um ato de guerra. Espalhados pela sala, uma dúzia de outros estadistas em conflito sobre fronteiras, dinheiro e influência. E a olhar um para o outro, os dois arquirrivais pretendentes ao lugar de capo dei capi, os presidentes dos Estados Unidos e da China. Apesar das aparências, a maioria dos participantes da cimeira do G20 do fim de semana não enterrou Don Corleone, mas enterrou a ordem liberal."

Premium

nuno camarneiro

Amor em tempo de cólera

Foi no domingo à tarde na Rua Heliodoro Salgado, que vai do Forno de Tijolo à Penha de França. Um BMW cinzento descia o empedrado a uma velocidade que contrariava a calidez da tarde e os princípios da condução defensiva. De repente, o focinhito de um Smart vermelho atravessa-se no caminho. Travagem brusca, os veículos quedam-se a poucos centímetros. Uma buzinadela e outra de resposta, o rapaz do BMW grita e agita a mão direita à frente dos olhos com os dedos bem abertos, "és ceguinha? És ceguinha?" A senhora do Smart bate repetidamente com o indicador na testa, "tem juízo, pá, tem juízo". Mais palavras, alguma mímica e, de repente, os dois calam-se, sorriem e começam a rir com vontade. Levantam as mãos em sinal de paz, desejam bom Natal e vão às suas vidas.

Premium

Joel Neto

O jogo dos homens devastados

E agora aqui estou, com a memória dos momentos em que falhei, das pancadas em que tirei os olhos da bola ou abri o cotovelo direito no downswing ou, receoso de me ter posicionado demasiado longe do contacto, me cheguei demasiado perto. Tenho a impressão de que, se fizer um esforço, sou capaz de recapitular todos os shots do dia - cada um dos noventa e quatro, incluindo os cinco ou seis que me custaram outros doze ou treze e me atiraram para longe do desempenho dos bons tempos. Mas, sobretudo, sinto o cheiro a erva fresca, leite morno e bosta de vaca dos terrenos de pasto em volta. E viajo pelos outros lugares onde pisei o verde. Em Tróia e na Praia Del Rey. Nos campos suaves do Algarve e nas nortadas de Espinho e da Póvoa de Varzim. Nos paraísos artificiais de Marrocos, em meio da tensão competitiva do País de Gales e na Herdade da Aroeira, com os irmãos Barreira e o Maurício, e o Vítor, e o Sérgio, e o Abad, e o Rui, e todos os outros.

Premium

Opinião

NAVEGAR É PRECISO. Quinhentinhos

Os computadores, sobretudo os pessoais e caseiros, também nos trouxeram isto: a acessibilidade da "memória", através do armazenamento, cronológico e quantificado. O que me permite - sem esforço - concluir, e partilhar, que este é o meu texto número 500 no Diário de Notícias. Tendo trabalhado a tempo inteiro e colaborado em muitas outras publicações, "mais do que prometia a força humana", nunca tive, em quatro décadas de peças assinadas, uma oportunidade semelhante de festejar algo de semelhante, fosse pela premência do tempo útil sobre o "ato contemplativo" ou pela velocidade inusitada com que ia perdendo os trabalhinhos, nem por isso merecedores de prolongamento do tempo de "vida útil". Permitam-me, pelo ineditismo da situação, esta rápida viagem que, noutro quadro e noutras plataformas, receberia a designação (problemática, reconheça-se) de egosurfing.