Félix da Costa quer ser "protagonista"

O português António Félix da Costa quer brilhar na época inaugural do campeonato do Mundo de Fórmula Elétrica (FE), que arranca no sábado em Pequim, que classifica como "uma nova era" no desporto automóvel.

"É um campeonato novo, com novas equipas, provas em circuitos citadinos e o virar de uma página no mundo automobilístico. Vamos entrar numa nova era e sinto-me um privilegiado por fazer parte. Em relação a resultados, o meu objetivo tem de ser sempre lutar pelos lugares da frente, mas acredito que algumas equipas estarão mais bem preparadas do que outras nesta fase inicial", disse António Félix da Costa à agência Lusa, numa antevisão do arranque do novo campeonato.

Para o piloto de Cascais, o único português no Mundial de Fórmula E, a sua equipa, a Amlin Aguri, "tem trabalhado bastante para evoluir e estar ao melhor nível", mas "eventualmente necessita de algum tempo" face a outras escuderias que apresentam mais tempo de preparação.

"De qualquer forma só estarei de serviço na segunda corrida, pois neste fim de semana estou com a BMW no DTM [Campeonato Alemão de Turismos]. Na segunda prova da FE quero lutar pelos melhores lugares", garantiu Félix da Costa.

O português, habituado a conduzir monolugares das Fórmulas e que este ano fez uma incursão no DTM, diz que a Fórmula E não é comparável com nada que os adeptos do desporto motorizado tenham visto e é essa precisamente a "mais-valia" deste campeonato.

"Diferenças para outras fórmulas? Basicamente todas. Quem acha que a Fórmula E é comparável à F1 ou até mesmo à GP2 e à World Series está enganado. A Fórmula E é um novo conceito, que promete revolucionar o mundo automobilístico e essa é a grande mais-valia deste campeonato, que chamará certamente a atenção dos amantes", disse Félix da Costa, acrescentando que cada novo teste dos carros elétricos faz baixar os tempos registados.

No pelotão, o português vai "lutar" com pelo menos nove antigos pilotos de Fórmula 1: Nelson Piquet [filho], Sébastien Buemi, Bruno Senna, Nick Heidfeld, Jarno Trulli, Jaime Alguersuari, Lucas di Grassi, Jean d'Ambrosio e Franck Montagny.

"O nível de pilotos é realmente alto e com nomes bem sonantes, o que torna todo o desafio ainda mais apetecível. Vários pilotos já conheço do passado, outros apenas de ver na F1 quando era mais novo. Todos estes nomes como o Trulli, Piquet, Bruno Senna, Heidefield, Buemi e outros farão com certeza deste primeiro ano de Fórmula E um enorme sucesso. E eu espero ser um dos protagonistas desta época inaugural", salientou.

O primeiro campeonato do Mundo de Fórmula E arranca no sábado, com a primeira prova, em Pequim. Todas as 10 provas do Mundial realizam-se em circuito citadino, para conter custos à organização e porque a FIA considera o carro elétrico o transporte urbano do futuro.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG