Dani Pedrosa deixa as pistas por tempo indeterminado

Piloto espanhol, que foi sexto na prova de abertura do Mundial, no Qatar, não quer continuar a conduzir com dores no braço

O piloto espanhol Dani Pedrosa (Honda), de Moto GP, anunciou hoje o afastamento das pistas por período indeterminado, de forma a encontrar uma solução para uma lesão no braço direito, que o afeta desde 2014.

"É claro que não posso continuar a conduzir nestas condições, não consigo dar tudo. Tenho sofrido com esta situação e é muito difícil continuar a competir neste estado", justificou o piloto.

Dani Pedrosa foi no domingo sexto classificado no Grande Prémio do Qatar, o que lhe valeu dez pontos e o sexto lugar no Mundial, após a corrida que abriu a época de Moto GP.

O piloto, que no último ano terminou em quarto lugar o Mundial, ganho por Marc Marquez, revelou que tem consultado vários especialistas desde o final da última época.

"Muitos deles aconselharam-me a operação e tenho seguido algumas sugestões para aliviar a dor", salientou o piloto, referindo que já no último ano sentiu muitos problemas, mas que tem "sofrido em silêncio".

Dani Pedrosa, de 29 anos, três vezes vice-campeão mundial e vencedor de 26 Grandes Prémios em Moto GP, chegou a fazer uma pequena cirurgia no intervalo das épocas, mas sem resultados.

O próximo Grande Prémio disputa-se a 12 de abril, nos Estados Unidos, no circuito de Austin, no Texas.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.