Da selecção de basquetebol a pai do 'poker' português

Jomané fez toda uma carreira no Aveiro Basket e foram os jogadores americanos que lhe introduziram a actual paixão pela modalidade

Foi capitão do Aveiro Basket, duas vezes internacional A pela principal selecção nacional portuguesa, mas aos 31 anos deixou de jogar basquetebol.

João Nunes, ou Jomané, como todos o tratam, é o pai do poker português (o título de padrinho está na posse de Nuno "Zumy" Coelho pela relação com os jogadores mais novos).

O vírus, no bom sentido, foi-lhe pegado pelos jogadores americanos que com ele partilharam balneário e viagens. "Nas deslocações mais longas, à Madeira ou à Europa, era uma das formas de passarmos o tempo", lembra o actual comentador. Depois, veio o poker, e embora tenha chegado a acumular as duas paixões, foi obrigado a tomar uma decisão quando já se deslocava regularmente a Lisboa para gravar na SIC Radical - hoje acumula com o Eurosport - e na maior comunidade online Pokerpt.com.

Hoje, não se sente arrependido da decisão que tomou, embora nunca tenha chegado verdadeiramente a repetir o trajecto no basquetebol.

É que Jomané projectou um futuro com cartas e fichas que os convites para comentar esta modalidade em expansão foram impedindo. Esporadicamente, joga em torneios internacionais, tendo já ganho 15 mil dólares (10 mil euros) num deles mas, em Vilamoura, por exemplo, é vê-lo entre o poker floor e a entrada do casino, permanentemente em contacto com todos os intervenientes nesta competição. De resto, ele foi também um dos responsáveis pela vinda do European Poker Tour (EPT), pela primeira vez, a Portugal. "Cheguei a ter reuniões em Londres para sensibilizar a organização quanto às capacidades do nosso país, os casinos e o crescimento do fenómeno", recorda o antigo base que agora é director de torneios de poker.

Conhecedor profundo da modalidade, compara este European Ppker Tour a um masters de ténis, pelo "impacte" e pela quantidade de pessoas que vêm a Portugal. "São jogadores, famílias e imprensa que consomem tudo do bom e do melhor. Para a economia, e num momento destes, é brutal".

Sobre o poker português diz estar ainda "num estado embrionário", que poderá conhecer um desenvolvimento maior quando chegar "à televisão generalista", tal como acontece "em todo o mundo", explica.

E, essa razão, há "mega-estrelas mundiais como os actores de Hollywood Ben Affleck e Matt Damon ou o presidente americano Barack Obama que jogam. Ainda assim, "há quatro ou cinco jogadores portugueses capazes de se bater com os melhores", e a prova é a vitória de João Barbosa num EPT em Varsóvia, conclui.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG