Como a maternidade embala as atletas de alta competição

Sara Moreira não é caso único. É possível dar à luz e voltar ao sucesso desportivo em poucos meses. Beatriz Gomes, canoísta olímpica, e António Palmeira, investigador da Faculdade de Motricidade Humana, explicam como.

Pôr a carreira em pausa para ser mãe, regressar à alta competição em poucos meses e manter o sucesso desportivo não é improvável. É tão natural como dar à luz, dizem especialistas e atletas. E o bebé ainda funciona como factor-extra de motivação. Sara Moreira - medalha de bronze na Maratona de Nova Iorque - acaba de prová-lo.

A história do desporto também se escreve com mamãs campeãs, como Paula Radcliffe, Kim Clijsters ou Dara Torres. Para todas elas a maternidade serviu de embalo para novos sucessos competitivos. Sara Moreira segue-lhes na peugada: um ano após ser mãe, e no regresso à competição, conseguiu um surpreendente 3.º lugar na Maratona de Nova Iorque.

É nas palavras de Sara - a maternidade como hipótese de "regeneração em termos físicos" e "nova motivação", o filho como "força extra" - que outras atletas se revêem. Beatriz Gomes, canoísta que esteve presente nos Jogos Olímpicos de 2008 e de 2012 e foi mãe em 2013, é uma delas. "A Íris, a minha filha, é um factor de motivação. Se tenho de me afastar dela para treinar, isso obriga-me a rentabilizar o treino. Um bom resultado é a recompensa que procuro", explica.

Leia mais no epaper do DN

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG