Armindo Araújo denuncia má conduta da Motosport Italia

O piloto português de rali, que recentemente foi afastado pela WRC Team Mini Portugal do Campeonato do Mundo, disse esta quarta-feira em entrevista à RTP que lhe foi pedido para justificar o afastamento com uma lesão que não teve.

Armindo Araújo, que há uma semana foi afastado da equipa Motorsport Italia (MSI), gestora da WRC Team Mini Portugal, não poupou as críticas à entidade italiana, a qual o português diz que lhe sugeriu usar uma falsa lesão como justificação para o seu afastamento da competição.

As razões que a equipa teve para afastar Armindo Araújo do WRC, porém, não são ainda conhecidas, já que o comunicado divulgado pela Motorsport Italia apenas referiu "razões desportivas".

"Tinha três dias de testes agendados para Itália. Quando lá cheguei, não fui autorizado a entrar no carro. Convocaram-me então para uma reunião, onde me pediram para dizer que estava doente e que não podia ir ao Rali da Alemanha", revelou o piloto português à RTP.

Armindo Araújo diz que depois recebeu alguns e-mails, que o piloto publicou na sua página de fãs do Facebook, com propostas de comunicados de imprensa da MSI, cada uma delas com um motivo diferente para uma suposta lesão nas costas. "Era enganar toda a gente e deturpar a verdade", disse o piloto português, que entretanto já encaminhou a documentação para os seus advogados e para a Federação Internacional de Automobilismo (FIA), de forma a levar o caso à justiça.

Além disso, a MSI pediu a Armindo Araújo, de acordo com o piloto, uma autorização para utilizar a licença despotriva do WRC Team Mini Portugal, propriedade da empresa Armindo Araújo Lda., para correr com Chrstian Atkinsen, o piloto que a equipa designou para substituir o português. Araújo rejeitou, e não se sabe se o Mini da equipa irá estar em prova na Alemanha, já que o português não pretende ceder.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG