O dérbi que vale por dois títulos de campeão

Um ano depois da paragem do campeonato por causa da pandemia, Sporting e Benfica decidem o título em Alvalade. As encarnadas só precisam do empate para serem campeãs pela primeira vez, as leoas têm de vencer para chegarem ao terceiro título.

Um dérbi no feminino que promete ficar para a história. O Sporting-Benfica desta tarde (17.00 horas, Canal 11) no Estádio José Alvalade promete grandes emoções, ou não estivesse em jogo o título de campeão nacional de futebol feminino, depois de na época passada o campeonato ter sido interrompido devido à pandemia, quando Benfica e Sporting partilhavam o primeiro lugar, a sete jornadas do fim.

As duas equipas voltaram este ano a dividir o protagonismo, embora o Benfica esteja na liderança à entrada para a última jornada, com mais dois pontos que o Sporting, que caiu do primeiro lugar na ronda anterior por causa de uma derrota em Braga. Ou seja, às encarnadas basta um empate em Alvalade para fazerem a festa do primeiro título de campeãs nacionais em apenas dois anos de I Divisão, enquanto as sportinguistas só conseguirão conquistar o terceiro título (em cinco épocas no escalão principal) se vencerem a partida.

Este será o quarto dérbi da temporada, sendo que as leoas venceram os dois jogos na condição de visitantes realizados para o campeonato - 3-0 na fase regular e 1-0 na fase de apuramento de campeão - , enquanto as benfiquistas triunfaram na final da Taça da Liga (2-1). No histórico de jogos para o campeonato, a vantagem é das leoas que perderam o primeiro dérbi e ganharam os outros três.

O apelo das treinadoras

Susana Cova, treinadora do Sporting, já veio dizer que para a sua equipa é muito importante jogar em Alvalade, algo que diz ser "um prémio por todo o esforço e trabalho" das suas jogadoras que sonham "há muito tempo" jogar nos grandes palcos. Nesse sentido, prometeu, em declarações à Lusa, que a sua equipa irá "apresentar a melhor versão de cada uma, individualmente, e de forma coordenada" para vencer o Benfica e, dessa forma, conquistar o título nacional.

Por sua vez, Filipa Patão, treinadora que assumiu o comando do Benfica no final de dezembro, substituindo Luís Andrade, apelou esta semana à concentração e ao empenho de todas as suas jogadoras. "Têm de perceber que é isso que têm de levar em todos os minutos em campo. Mais do que o individual ou o coletivo, o mais importante é a camisola", disse ao site do Benfica, na sequência de uma visita do bicampeão europeu José Augusto à sua equipa. "A alma tem de estar lá sempre! Foi isso que este senhor veio aqui transmitir", frisou Filipa Patão.

No jogo do título vão estar frente-a-frente o melhor ataque da fase de apuramento de campeão, o do Benfica com 44 golos, diante da melhor defesa desta fase, que é a do Sporting com apenas quatro golos sofridos. O dérbi terá ainda algumas das melhores jogadoras a atuar em Portugal, sendo que no Benfica tem estado em destaque Kika Nazareth, avançada de apenas 18 anos, que lidera a lista de melhores marcadoras da fase final (10 golos), mas também a atacante canadiana Cloé Lacasse ou as jovens Catarina Amado, Beatriz Cameirão e Andreia Faria.

A equipa leonina assenta consistência defensiva na sérvia Navena Damjanovic e tem a brasileira Raquel Fernandes como goleadora (8 golos na fase de apuramento de campeão), bem acompanhadas por Ana Borges, Fátima Pinto, Joana Marchão e Tatiana Pinto.

carlos.nogueira@dn.pt

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG