O "calhamaço" que responde a todas as dúvidas sobre a seleção

Livro de Rui Miguel Tovar foi apresentado na Feira do Livro, em Lisboa, este domingo, com a presença do autor e do diretor do Diário de Notícias, Ferreira Fernandes.

O Almanaque da Seleção. Um "calhamaço de 453 páginas", com todas as fichas e crónicas de todos os 601 jogos (602 depois do jogo com a Argélia) de Portugal, que promete ser a Bíblia sagrada do amantes do futebol e seguidores da seleção nacional.

Quem marcou o primeiro golo, quem nunca chegou a jogar um minuto sequer, o primeiro jogo da seleção ou o autor do golo mais importante à equipa nacional, são algumas das questões a que Rui Miguel Tovar dá uma reposta.

Cada ficha de jogo é acompanhada de uma estória curiosa. Para escrever o Almanaque da seleção, o autor socorreu dos arquivos do pai (Rui Tovar) e dos jornais A BOLA, DN ou do saudoso Diário de Lisboa para melhorar a obra anterior, lançada antes do Euro2004. "Fico extremamente contente, é um legado do meu pai. Foi muito trabalho de pesquisa, mas o meu pai foi o pioneiro. Herdei as suas pastas, ele teve a preocupação de guardar tudo o que dizia respeito à seleção", contou Rui Miguel Tovar.

Este domingo, na Feira do Livro, em Lisboa, o jornalista, de 41 anos, que vai colaborar com o DN durante o Mundial da Rússia, apresentou a obra que se insere na coleção dos Livros FPF, com a ajuda de Ferreira Fernandes, amigo e diretor do Diário de Notícias.

Desafiados a apontar o jogo da seleção que mais os marcou, o autor respondeu, um jogo de Portugal na antiga Checoslováquia, em 1965, além do "mágico golo do Éder" na final do Euro2016, em França. Já Ferreira Fernandes lembrou o 5-3 à Coreia, com quatro golo de Eusébio... além do golo de Éder, que deu a Portugal o único título de seleções até hoje.

Veja aqui o vídeo da apresentação do Almanaque da Seleção, na Feira do Livro, com Rui Miguel Tovar e Ferreira Fernandes.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.