Novo estádio olímpico de Tóquio pronto no final de 2019

Jogos Olímpicos de 2020 podem custar mais de 26 mil milhões de euros, quatro vezes mais do que o orçamento inicial

A construção do novo estádio olímpico de Tóquio vai ser concluída em novembro de 2019, meses antes da data inicialmente prevista, anunciou hoje o Governo japonês.

Segundo avançado anteriormente, o estádio olímpico deveria ficar pronto apenas poucos meses antes da realização dos Jogos Olímpicos de 2020.

O Executivo aprovou hoje o plano de construção das instalações, a cargo de uma 'joint-venture', dirigida pela construtora Taisei, que prevê que as obras arranquem no próximo mês de dezembro.

O acordo, a ser assinado, fixa o preço da construção em 149.000 milhões de ienes (1,3 milhões de euros), valor abaixo do teto de 155.000 milhões de ienes (1,36 milhões de euros) previamente estabelecido pelo Governo do país asiático.

A construção do estádio é "essencial" para o sucesso dos Jogos, destacou hoje a ministra responsável pelos Olímpicos e Paralímpicos, Tamayo Marukawa, em conferência de imprensa após a aprovação do plano.

No encontro, em que participou o presidente do Conselho dos Desportos do Japão, proprietário do estádio, foi também abordado a utilização a dar ao recinto após o evento, estando em cima da mesa a possibilidade de ser privatizado para acolher jogos de futebol, provas de atletismo e outros eventos não desportivos.

A aprovação do plano tem lugar um dia depois de se ter sido revelado que o custo final de organizar Tóquio2020 poderá quadruplicar face ao orçamento inicial de 700.000 milhões de ienes (6.154 milhões de euros) até aos 3 biliões de ienes (26.372 milhões de euros).

O governo local estuda o uso de instalações que já existem ou a transferência para recintos fora da capital de algumas das competições desportivas para baixar custos, o que significaria, a concretizar-se, uma nova alteração aos planos iniciais.

A preparação dos Jogos Tóquio2020 tem estado envolvida em algumas polémicas, nomeadamente no que se refere ao projeto do estádio olímpico.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.