Nem a Liga Europa conseguiu manchar "um dia perfeito"

Festa da conquista da Taça de Portugal durou noite e dia na pequena vila de Santo Tirso, apesar das notícias sobre a não ida à Europa

Ter menos adeptos não significa necessariamente festejos menos intensos na altura de celebrar um feito inédito. Prova disso foram as 24 horas que se viveram na Vila das Aves após a conquista da Taça de Portugal, numa festa inebriante que se estendeu até à Câmara Municipal de Santo Tirso, onde ao fim da tarde de ontem a equipa do Desportivo das Aves foi recebida nos Paços de Concelho, com uma pequena multidão a encher a praça em frente à varanda da autarquia.

Alguns milhares de adeptos, dois a três mil - numa vila que tem cerca de 8500 habitantes - não quiseram perder a honraria histórica concedida após a conquista da Taça de Portugal de futebol, a primeira da sua história, após o triunfo por 2-1 sobre o Sporting, no domingo. "O maior feito do clube e da vila", diz ao DN Pedro Vaz, de 37 anos, a restabelecer-se ainda das emoções que viveu no Jamor com a mulher, Ana, os sogros e demais família.

Um a um, subiram ao palco da câmara os protagonistas para receberem uma medalha do município, comemorativa do feito. Quim, o veterano guarda-redes de 42 anos, e Guedes, o autor dos dois golos, foram naturalmente os mais aplaudidos, mas todos os jogadores, treinadores e dirigentes foram devidamente ovacionados por adeptos em êxtase, a quem nem as más notícias sobre a anunciada ausência do clube na Liga Europa da próxima época fizeram desanimar.

Durante o dia ontem ficou a saber-se que a Federação Portuguesa de Futebol não incluiu o Aves na lista para as provas europeias, por alegado incumprimento nos prazos de licenciamento, mas o site da UEFA contemplava o nome da equipa, o que deu força ao presidente da SAD avense, Luiz Andrade, para, entre críticas à FPF, acreditar numa solução positiva (ver entrevista).

Pedro Vaz, por exemplo, não fica muito preocupado. "Claro que gostava de ver aqui um Chelsea ou um Atlético de Madrid, mas prefiro que o clube cresça de forma sustentada e há vários casos em Portugal de equipas que foram à Liga Europa e depois desceram de divisão", lembra. Ao lado de Pedro está Ana Queirós, de 26 anos. Eles são os sócios 1799 e 1800 do Desportivo das Aves. O bebé vindouro que cresce na barriga de Ana também "foi" ao Jamor e "será avense com toda a certeza", garante a futura mãe, mais ferrenha.

Pouco sono e muitas promessas

Quando acordou, Joaquim Silva, olhos raiados de pouco sono, quase que teve de beliscar-se. "Não foi um sonho!", diz, elevando o tom, olhos bem abertos agora. "Deitei-me às 03.00 e levantei-me às 05.00 para trabalhar", conta.

Estamos no Vale do Ave, zona altamente industrializada, e Manuel Pereira também só dormiu duas horas. "Foi 80 por cento surpresa, os outros 20 por cento não! O Sporting esteve oito dias parado e mentalmente estava muito em baixo. Mas o Desportivo das Aves não teve nada que ver com isso e aproveitou a oportunidade", considera, ao tomar um café na esplanada do Café Central. A poucos metros, Kika, uma cadela labradora preta, tem enroscado no pescoço um cachecol do clube que, em novembro, cumpre 88 anos.

Miguel Carneiro, 21 anos cumpridos ontem - "a Taça foi a melhor prenda" -, acusa o cansaço de quase duas noites em branco, muita emoção e festa. Está com outros 30 a 40 adeptos no café onde habitualmente se reúnem, mais conhecido por Associação de Adeptos, e relembra o jogo que deu ao clube da pequena vila do concelho de Santo Tirso a sua primeira Taça de Portugal. O jovem membro da claque Força Avense admite que quando o Sporting reduziu para 2-1, já na parte final da partida, teve "muito medo". "Lembrei-me logo que eles tinham recuperado de um 2-0 contra o Braga e ganharam a Taça, há uns anos."

"Nós estávamos habituados a festejar as subidas de divisão, este ano também a manutenção [outra coisa nunca antes conseguida no clube], mas vencer a Taça de Portugal... Defensivamente estivemos muito bem nesses minutos finais e, quando o árbitro apitou, foi baba e ranho!", atira.

Carlos Fernandes, 45 anos, blusão de fato de treino do Aves e tacinha de vinho branco à frente, lamenta se o desenlace da inscrição na Liga Europa for negativo, porque "era bom, era dinheiro e prestígio..." Mas o mais importante foi mesmo ganhar a Taça.

Junta-se à conversa, na mesa, Leandro Almeida, de 51 anos. Diz que jogou no clube em jovem e nota, bem-disposto, que "o Desportivo das Aves nunca perdeu uma final" - só disputou esta.

Antes do jogo foram feitas promessas: Joaquim Silva garante que vai a pé até São Bento da Porta Aberta, no Gerês, a quase 60 quilómetros. Pedro Vaz foi mais comedido: vai ao Monte da Nossa Senhora da Assunção, ponto mais alto de Santo Tirso, onde quer colocar uma bandeira do clube como símbolo da conquista. À sua escala, o Desportivo das Aves conquistou o Evereste.

Exclusivos

Premium

Primeiro-secretário da Área Metropolitana de Lisboa

Carlos Humberto: "Era preciso uma medida disruptiva que trouxesse mais gente ao transporte coletivo"

O novo passe Navegante abriu aos cidadãos da Área Metropolitana de Lisboa a porta de todos os transportes públicos, revolucionando o sistema de utilização dos mesmos. A medida é aplaudida por todos, mas os operadores não estavam preparados para a revolução e agudizaram-se problemas antigos: sobrelotação, tempos de espera, supressão de serviços, degradação de equipamentos.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Berlim, junto aos Himalaias

Há 30 anos exatos, Berlim deixou de ser uma ilha. Vou hoje contar uma história pessoal desse tempo muralhado e insular, num dos mais estimulantes períodos da minha vida. A primeira cena decorre em dezembro de 1972, no Sanatório das Penhas da Saúde, já em decadência. Com 15 anos acabados de fazer, integro um grupo de jovens que vão treinar na neve abundante da serra da Estrela o que aprenderam na teoria sobre escalada na neve e no gelo. A narrativa de um alpinista alemão, dos anos 1920 e 1930, sobre a dureza das altas montanhas, que tirou a vida a muitos dos seus companheiros, causou-me uma forte impressão. A segunda cena decorre em abril de 1988, nos primeiros dias da minha estada em Berlim, no árduo processo de elaboração de uma tese de doutoramento sobre Kant. Tenho o acesso às bibliotecas da Universidade Livre e um quarto alugado numa zona central, na Motzstrasse. Uma rua parcialmente poupada pela Segunda Guerra Mundial, e onde foram filmadas em 1931 algumas das cenas do filme Emílio e os Detectives, baseado no livro de Erich Kästner (1899-1974).Quase ao lado da "minha" casa, viveu Rudolf Steiner (1861-1925), fundador da antroposofia. Foi o meu amigo, filósofo e ecologista, Frieder Otto Wolf, quem me recomendou à família que me acolhe. A concentração no estudo obriga a levantar-me cedo e a voltar tarde a casa. Contudo, no primeiro fim de semana almoço com os meus anfitriões. Os dois adolescentes da família, o Boris e o Philipp, perguntam-me sobre Portugal. Falo no mar, nas praias, e nas montanhas. Arrábida, Sintra, Estrela... O Philipp, distraidamente, diz-me que o seu avô também gostava de montanhas. Cinco minutos depois, chego à conclusão de que estou na casa da filha e dos netos de Paul Bauer (1896-1990), o autor dos textos que me impressionaram em 1972. Eles ficam surpreendidos por eu saber da sua existência. E eu admirado por ele ainda se encontrar vivo. Paul Bauer foi, provavelmente, o maior alpinista alemão de todos os tempos, e um dos pioneiros das grandes montanhas dos Himalaias acima dos 8000 metros. Contudo, não teria êxito em nenhuma das duas grandes montanhas a que almejou. As expedições que chefiou, em 1929 e 1931, ao pico de 8568 metros do Kanchenjunga (hoje, na fronteira entre a Índia e o Nepal) terminaram em perdas humanas. Do mesmo modo, o Nanga Parbat, com os seus 8112 m, seria objeto de várias expedições germânicas marcadas pela tragédia. Dez mortos na expedição chefiada por Willy Merkl, em 1934, e 16 mortos numa avalancha, na primeira expedição comandada por Paul Bauer a essa montanha paquistanesa em 1937. A valentia dos alpinistas alemães não poderia substituir a tecnologia de apoio à escalada que só os anos 50 trariam. Bauer simboliza, à sua maneira, esse culto germânico da vontade, que tanto pode ser admirável, como já foi terrível para a Alemanha, a Europa e o mundo. Este meu longo encontro e convívio com a família de Paul Bauer, roça o inverosímil. Mas a realidade gosta de troçar do cálculo das probabilidades.