JOÃO MARCELINO: Zero, zero. Sem hífen

Depois de dois anos de trabalho e um mês de estágio, a estreia absoluta de Rúben Amorim, chamado de emergência para esconder pelo menos duas mistificações (Nani e Pepe), diz muito da qualidade de planificação. Sobre a táctica falou Deco: "Ele - Queiroz - pediu-me para abrir na direita, para jogar a extremo coisa que eu não sou." Quanto a ambição explicaram outros jogadores: "Não foi nada mau não perder na estreia." A respeito de rendimento individual também é elucidativo reconhecer-se que o melhor tenha sido o de um jogador (Fábio Coentrão) de quem se não recorda um único lance de qualidade atacante - o lateral limitou-se a ser genicoso e a defender bem. A propósito do que se viu no jogo, o resumo é ainda mais fácil e está em consonância: zero, zero. Sem hífen.

Portugal jogou para não perder! A Costa de Marfim mostrou em campo que Eriksson ainda tinha mais medo de Queiroz que Queiroz dele! Foi o pior jogo do Mundial até agora. Em nenhum momento qualquer das equipas arriscou o que quer que fosse. Nem sequer nos últimos minutos. Com uma agravante para a equipa de Portugal: há uns senhores, reformados, ligados à FIFA, que insistem na tese de que neste momento temos aqui a terceira melhor equipa do mundo. Temos nada! Ou antes: temos apenas um jogador, Cristiano Ronaldo, que num remate (10 m, ao poste) pode fazer de ilusionista, disfarçar o óbvio.

A esta equipa não faltam jogadores. Estão lá os melhores disponíveis que temos, e não temos mais. Disso o treinador é praticamente inocente. Mais Simão menos Danny, mais Pepe menos Amorim, o consenso é tão evidente quanto a teimosia de Queiroz em apostar em empreitadas fora do tempo (como a recuperação do trinco que é central no Real Madrid).

A esta equipa falta "apenas" identidade e ambição, uma ideia, um líder. Isso não vai ser resolvido nem neste campeonato do Mundo nem nos próximos dois anos. Escusamos, a partir de agora, de ter ilusões.

Estamos a falar de quê? Estamos a falar de uma equipa que, entre laterais e médios, não produz um único cruzamento desde a linha de fundo. Estamos a falar de uma equipa que pede ao seu único "10" (Deco), em final de carreira, que se faça extremo veloz. Estamos a falar de uma equipa em que os médios não partem para cima dos adversários para criar desequilíbrios nem se movimentam para aparecerem entre as linhas adversárias. Estamos a falar de uma equipa que a partir de um 4x4x2 teórico se movimenta num 4x6x0 efectivo. Estamos a falar de uma equipa que ontem jogou o futebol à maneira de uma má equipa de andebol: circulação, circulação, incapacidade de servir o pivot - portanto, remates (quase) nada. E apenas houve mais dois: um aparo de cabeça de Liedson (57) e um pontapé de longe de Meireles (78).

A selecção de futebol, que antigamente era pretexto para pôr bandeiras à janela, foi contaminada pelo estado do País: é uma coisa triste, desesperançada, à espera de um milagre. Agora vais ter de jogar tudo contra a Coreia do Norte, e nem sequer há certeza de que ao menos nesse jogo o treinador permita aos jogadores a veleidade de jogarem sem ser de forma cobarde. Foi assim que a equipa se movimentou ontem e foi por isso que os jogadores abandonaram o campo a olhar para baixo: eles sabem aquilo que fizeram, porque a maior parte deles anda há anos a fazer muito melhor. Mas na selecção, de há dois anos a esta parte, até os jogadores parece que só vêem fantasmas, que em cada esquina do jogo descobrem um Adamastador que os pretende engolir, que desaprenderam… Porque será

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG