Mário Silva deixa Rio Ave e é o sexto treinador a 'cair' na I Liga

A saída de Mário Silva segue-se às de Lito Vidigal (Marítimo) e Vasco Seabra (Boavista), às oitava e nonas jornadas, e já neste mês, o que eleva para três as 'chicotadas' de treinadores em dezembro.

Mário Silva deixa o Rio Ave, cinco meses depois de ter assumido o comando da equipa, protagonizando a sexta saída de um treinador numa equipa da I Liga portuguesa de futebol na época 2020/21.

O clube informou esta quarta-feira ter acordado a rescisão com Mário Silva, num momento em que é 13.º classificado, apenas dois pontos acima da linha de despromoção, zona em que se encontram Tondela (17.º) e Portimonense (18.º).

Na I Liga, os vila-condenses não vencem há cinco jogos, desde 31 de outubro, na vitória em casa com o Moreirense (2-0), e têm, desde então, uma série de dois empates (com Belenenses e Boavista) e três derrotas (com Gil Vicente, Sporting de Braga e Marítimo).

A saída de Mário Silva segue-se às de Lito Vidigal (Marítimo) e Vasco Seabra (Boavista), às oitava e nonas jornadas, e já neste mês, o que eleva para três as 'chicotadas' de treinadores em dezembro.

Antes, a I Liga já tinha 'assistido' às saídas de Tiago Mendes do Vitória de Guimarães (terceira jornada), que pediu a demissão, de Ricardo Soares do Moreirense (sexta) e de Rui Almeida do Gil Vicente (sétima).

João Henriques substituiu Tiago nos vimaranenses, César Peixoto foi o escolhido para substituir Ricardo Soares, tendo este assumido quase de imediato o lugar de Rui Almeida nos gilistas.

No Marítimo, Milton Mendes assumiu funções como treinador interino, mas já cumpriu quatro jogos, três no campeonato e um na Taça de Portugal, enquanto no Boavista entrou Jesualdo Ferreira.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG