Luso-americano manda no futebol da América

Carlos Cordeiro será agora uma das caras da candidatura tripartida ao Mundial2026, no qual os EUA se uniram ao Canadá e ao México.Carlos Cordeiro tornou-se no 32.º presidente da US Soccer, o equivalente à nossa Federação de Futebol, sucedendo a Sunil Gulati.

O lusodescendente Carlos Cordeiro foi este sábado eleito presidente da federação norte-americana de futebol (US Soccer). Filho de mãe colombiana e pai português, Cordeiro emigrou, com a sua mãe viúva e três irmãos aos 15 anos, da Índia para os EUA em 1956, tornando-se cidadão americano 10 anos depois.

No ato eleitoral mais participado desde 1998, Carlos Cordeiro tornou-se no 32.º presidente da US Soccer, sucedendo a Sunil Gulati, ao conquistar 68,6% dos votos na terceira volta, superando Kathy Carter (10,6%), Kyle Martino (10,6%), Eric Wynalda (8,9%) e Hope Solo (1.4%).

Carlos Cordeiro será agora uma das caras da candidatura tripartida ao Mundial2026, no qual os EUA se uniram ao Canadá e ao México.

Cordeiro vai presidir à US Soccer até 2022, depois de ter desempenhado vários cargos no organismo, como primeiro diretor independente, desde 2007, e vice-presidente, desde 2016. Foi ainda tesoureiro e responsável pelas finanças da fundação US Soccer, além de representar o organismo na CONCACAF e na FIFA.

Empresário com mais de 30 anos de experiência no mundo financeiro internacional, integrou a Goldman Sachs em 1990, tendo, mais tarde, sido designado vice-presidente para a Ásia. Entre outras atividades, foi conselheiro de Nelson Mandela no período pós-Apartheid, na África do Sul, e de várias entidades financeiras, como o Banco Mundial.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.