Luís Castro chama um reforço para o Dragão

Treinador do Rio Ave inclui lateral brasileiro Bruno Teles na convocatória para jogo com o FC Porto

A estreia do reforço Bruno Teles é hoje a principal nota de destaque na convocatória do Rio Ave para a partida deste sábado, frente ao FC Porto, no Dragão, da 18.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol.

O defesa esquerdo brasileiro, que chegou há cerca de duas semana a Vila do Conde, oriundo do América Mineiro, do Brasil, poderá mesmo a entrar diretamente para 'onze' titular do técnico Luís Castro.

Isto porque Rafa Soares, que habitualmente ocupa o corredor 'canhoto' da defesa, está nos Arcos cedido pelo FC Porto e, por isso, impedido de alinhar nesta partida, assim como o avançado Gonçalo Paciência, também emprestado pelos 'dragões'.

Em sentido inverso, quem reentrou no lote dos eleitos foi o lateral direito Pedrinho, que recuperou esta semana de uma lesão muscular.

De fora deste jogo, devido a impedimento físicos, ficam Leandrinho, Lionn e Capela.

O Rio Ave, oitavo classificado, com 24 pontos, desloca-se este sábado ao terreno do FC Porto, segundo, com 38, numa partida agendada para as 16:00 e que terá arbitragem de Jorge Sousa, da Associação de Futebol do Porto.

Lista dos 20 convocados:

- Guarda-redes: Cássio e Rui Vieira.

- Defesas: Nadjack, Roderick, Marcelo, Bruno Teles, André Vilas Boas, Pedrinho e Nélson Monte.

- Médio: Filipe Augusto, Tarantini, Rúben Ribeiro, João Novais, Pedro Moreira e Krovinovic.

- Avançados: Gil Dias, Guedes, Héldon, Ronan e Yazalde.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.