Hamilton entra a ganhar no Mundial e bate mais um recorde de Schumacher

Max Verstappen (Red Bull) partiu da pole position e acabou em segundo lugar, a 745 milésimos de segundo, e o finlandês Valtteri Bottas (Mercedes) em terceiro, a 37,383 segundos.

O britânico Lewis Hamilton (Mercedes) venceu este domingo o Grande Prémio do Bahrain, primeira prova do Mundial de Fórmula 1, e é o primeiro líder do campeonato.

O piloto da Mercedes, atual campeão do mundo, conquistou a 96.ª vitória da carreira ao deixar o holandês Max Verstappen (Red Bull) no segundo lugar, a 745 milésimos de segundo, e o finlandês Valtteri Bottas (Mercedes) em terceiro, a 37,383 segundos.

Com estes resultados, Hamilton lidera o campeonato, com 25 pontos, num dia em que bateu mais um recorde do alemão Michael Schumacher, tornando-se o piloto com mais voltas na liderança na história do Mundial (5.125).

A corrida, que começou a ser dominada pelo Red Bull de Max Verstappen, acabou decidida apenas nas últimas voltas, com o piloto holandês a deixar escapar o triunfo depois de um erro, após ter reconquistado a liderança.

O holandês parou mais tarde do que Hamilton para trocar de pneus, chegando às últimas dez voltas com borrachas novas e em condições de atacar a liderança do heptacampeão mundial.

A quatro voltas do final, concretizou mesmo a ultrapassagem na curva 4 do circuito de Sakhir. No entanto, ao exceder os limites da pista, recebeu indicação para voltar a deixar passar Hamilton de forma a não ser penalizado.

O britânico regressou ao primeiro lugar para não mais o perder, cortando a meta com sete décimos de segundo de vantagem para o rival holandês, que vinha dominando desde os testes de pré-temporada.

"Uau, que corrida difícil. O Max teve um desempenho fantástico todo o fim de semana. Foi a corrida mais difícil que tive em muito tempo", desabafou Hamilton, no final. O piloto britânico não vencia a prova de abertura do campeonato desde 2015, tendo conquistado o 96.º triunfo da sua carreira (é o mais vitorioso de sempre).

Para além disso, bateu outro recorde que pertencia ao alemão Michael Schumacher, ao chegar às 5.125 voltas na liderança de corridas, contra as 5.111 de Schumacher.

Já o finlandês Kimi Raikkonen (Alfa Romeo) tornou-se no piloto com mais voltas completadas em Grandes Prémios. Quanto a Verstappen, lamentou a forma como perdeu a corrida. "Preferia ter sido penalizado com cinco segundos do que ter perdido assim", lamentou, numa conversa rádio com a sua equipa.

O holandês sentiu alguns problemas de diferencial na parte inicial da corrida, mas admite que "foi bom terminar" e poder somar "pontos importantes para o campeonato".

Bottas fechou o pódio, a 37,383 segundos, depois de uma paragem nas boxes desastrosa, em que perdeu mais de dez segundos. "Tirou quaisquer oportunidades", disse, no final.

O mexicano Sergio Perez (Red Bull) ainda terminou na quinta posição, depois de ter partido da via das boxes após ter sofrido uma falha de motor na volta de formação da grelha.

Já o alemão Sebastian Vettel (Aston Martin), que saiu do último lugar da grelha devido a uma penalização por ter ignorado bandeiras amarelas na qualificação de sábado, voltou a ser hoje penalizado com dez segundos após ser considerado culpado de uma colisão com o francês Esteban Ocon (Alpine) e terminou em 15.º.

O espanhol Fernando Alonso (Alpine) foi obrigado a desistir no seu regresso às pistas, após dois anos de ausência.

Nota ainda para os dois pontos somados pelo japonês Yuki Tsunoda (Alpha Tauri) na sua corrida de estreia, ao terminar no nono lugar.

Segue-se o GP da Emilia Romagna, em Imola, no dia 18 de abril, que antecede o GP de Portugal, em 2 de maio.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG