LeBron James pede "igualdade' e brinda Washington com 61º triplo duplo da carreira

O basquetebolista aproveitou estar a jogar perto da Casa Branca para mandar um recado a Donald Trump

LeBron James jogou este domingo em Washington com uma sapatilha preta e outra branca, ambas com a inscrição da palavra "igualdade" em dourado e maiúsculas, e foi assim que levou os Cleveland Cavaliers ao 18º triunfo nos últimos 19 jogos na NBA.

O basquetebolista norte-americano acabou por a trocar de sapatilhas ao intervalo, optando por umas totalmente pretas, acabou por brindar os Wizards com o quarto triplo duplo da temporada e o 61º da sua carreira, ao somar 20 pontos, 15 assistências e 12 ressaltos, num triunfo por 106-99.

"Este é um país bonito e nunca vamos deixar que uma pessoa dite o quão bonito e poderoso somos", disse LeBron James, reconhecendo que a escolha das sapatilhas teve a vez com o facto de ter jogado tão perto da Casa Branca, a residência do presidente Donald Trump.

Kevin Love, com 25 pontos e nove ressaltos, Jeff Green, com 15 pontos, e Kyle Korver, com 11, ajudaram LeBron James, que lamentou as suas seis perdas de bola sem lançamento.

"Ele afeta o jogo de muitas maneiras e faz uma série de jogadas para a equipa. Ele prepara-nos e coloca-nos nos sítios certos. É o que ele faz, é o nosso líder", explicou Kevin Love.

Na formação da casa, destacaram-se Bradley Beal, com 27 pontos, e John Wall, com 15 pontos, 10 ressaltos e seis assistências.

Exclusivos

Premium

Fernanda Câncio

O jornalismo como "insinuação" e "teoria da conspiração"

Insinuam, deixam antever, dizem saber mas, ao cabo e ao resto, não dizem o que sabem. (...) As notícias colam títulos com realidades, nomes com casos, numa quase word salad [salada de palavras], pensamentos desorganizados, pontas soltas, em que muito mais do que dizer se sugere, se dá a entender, no fundo, ao cabo e ao resto, que onde há fumo há fogo, que alguma coisa há, que umas realidades e outras estão todas conexas, que é tudo muito grave, que há muito dinheiro envolvido, que é mais do mesmo, que os políticos são corruptos, que os interesses estão todos conexos numa trama invisível e etc., etc., etc."

Premium

João Taborda da Gama

Aceleras

Uma mudança de casa para uma zona rodeada de radares fez que as multas por excesso de velocidade se fossem acumulando, umas atrás das outras, umas em cima das outras; o carro sempre o mesmo, o condutor, presumivelmente eu, dado à morte das sanções estradais. Diz o código, algures, fiquei a saber, que se pode escolher a carta ou o curso. Ou se entrega a carta, quarenta e cinco dias no meu caso, ou se faz um curso sobre velocidade, dois sábados, das nove às cinco, na Prevenção Rodoviária Portuguesa.

Premium

Catarina Carvalho

Querem saber como apoiar os media? Perguntem aos leitores

Não há nenhum negócio que possa funcionar sem que quem o consome lhe dê algum valor. Carros que não andam não são vendidos. Sapatos que deixam entrar água podem enganar os primeiros que os compram mas não terão futuro. Então, o que há de diferente com o jornalismo? Vale a pena perguntar, depois de uma semana em que, em Portugal, o Sindicato dos Jornalistas debateu o financiamento dos media, e, em Espanha, a Associação Internacional dos Editores (Wan-Ifra) debateu o negócio das subscrições eletrónicas.