"Scolari é a pessoa certa para recuperar a credibilidade do Sporting"

Antigo guarda redes do Brasil e do Benfica falou da possibilidade do ex-selecionador português poder treinar o Sporting e dos acontecimentos de Alcochete: "Passei por isso quatro vezes."

Para Júlio César, Luiz Felipe Scolari seria a escolha certa para o lugar de Jorge Jesus, que abandonou Alvalade na semena passada e rumou à Arábia Saudita. "O Sporting fará um bom negócio. Quando se contrata um treinador com o estatuto de Scolari é o caminho certo para ser um clube bem falado", disse esta quinta-feira o antigo guarda-redes do Benfica, campeão do mundo, pelo Brasil, com Felipão, à margem de um evento promovido pela Betclic.

O antigo selecionador de Portugal está sem clube, depois de ter deixado o Guangzhou Evergrande, clube com que se sagrou campeão da China e o guardião acredita que o treinador pode mesmo aceitar o convite leonino: "Ele conhece bem o país e tem um carinho enorme por Portugal. Acredito que ele poderá vir."

Mas se vier, que seja para ficar... em segundo lugar. "O Sporting faz uma boa escolha. Vou torcer por ele, sempre com o Sporting em segundo e o Benfica em primeiro", brincou o brasileiro.

Quanto aos acontecimentos de Alcochete, Júlio César confessou que passou por isso ao serviço do Flamengo. "Passei por isso quatro vezes no Flamengo. Sentimos desilusão. O jogador de futebol é visto como mercenário, que só está ali para ganhar dinheiro. Quando isso acontece, o jogador perde carinho de vestir a camisola. Perdi interesse de jogar no Flamengo, mesmo sendo flamenguista", recordou o ex-guardião do Benfica, rematando: "Sentimo-nos vulneráveis, desprotegidos. É o que está a acontecer aos jogadores do Sporting. Psicologicamente ficam afetados, ainda por cima a jogar uma final [Taça de Portugal] a seguir."

Benfica perdeu o penta no jogo com o FC Porto...

Júlio César rescindiu com o Benfica em novembro de 2017 depois de três anos e meio de ligação. "É uma instituição que vou levar para o resto da minha vida no fundo do meu coração", disse o brasileiro antes de abordar o que faltou para a equipa de Rui Vitória atingir o pentacampeonato. "O fator primordial foi o jogo com o FC Porto. O Benfica estava numa posição mais confortável do que o FC Porto e aquele jogo na Luz foi algo que acabou por atrapalhar os planos. Ao longo dos anos, o Benfica dominava o campeonato do início ao fim, inclusive nos tempos em que lá estive. Na última temporada foi diferente com o FC Porto quase sempre à frente do campeonato. O Benfica reverteu isso e todos pensavam que era o momento [no clássico] de ganhar vantagem. Aquele golo a acabar o jogo acabou com tudo o que estava planeado", explicou o guardião.

Saiu da equipa a meio da temporada para, mais tarde, acabar a carreira no Flamengo: "Sempre vi com bons olhos o facto de pensar no grupo, estando a jogar ou não. Chegou um momento em que não estava feliz em relação à minha coluna. Estava a tomar medicamentos fortes para poder treinar e jogar. Achei que não era o momento ideal tomar tantos medicamentos sem jogar. Sempre fui uma pessoa que jogou muito mais durante toda a carreira do que estava a acontecer. O problema deixava-me um pouco depressivo. Foi uma decisão muito difícil."

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.