Judocas Célio Dias e Jorge Fonseca conquistam medalhas de bronze em Tbilisi

Célio Dias regressou à competição após lesão no ombro. Jorge Fonseca também teve vários meses sem competir devido a problemas de saúde

Os judocas portugueses Célio Dias (-90 kg) e Jorge Fonseca (-100 kg) conquistaram hoje as medalhas de bronze das respetivas categorias, no último dia do Grande Prémio de Tbilisi, na Geórgia.

Célio Dias foi o primeiro a chegar ao bronze, naquele que foi o seu regresso aos 'tatamis' após uma lesão no ombro que o deixou sem competir nos últimos três meses, depois de ter arrecado o bronze no 'Grand Slam' de Paris, em outubro.

O judoca do Benfica, 22.º do mundo, esteve muito perto da final em Tbilisi, depois de ter vencido a sua 'poule', com vitórias nos três combates que disputou, mas na meia-final, com o sueco Marcus Nyman (21.º), acabou por perder.

Foi um combate em que Célio Dias chegou a ter uma importante vantagem de 'waza-ari', mas acabou surpreendido a 1.40 minutos do final, com Nyman a vencer por 'ippon'.

Na luta pelo bronze encontrou outro sueco, Joakim Dvarby, também ligeiramente acima de si na hierarquia mundial, na 20.ª posição, mas depois de um primeiro 'waza-ari' conseguiu o segundo, terminando o combate por 'ippon'.

Quanto a Jorge Fonseca, também 22.º do mundo nos -100 kg, que este ano já tinha sido sétimo em Paris e quinto em Dusseldorf, chegou à medalha após vencer o italiano Domenico Di Guida (36.º), por 'waza-ari'.

O judoca do Sporting, que no último ano teve problemas de saúde e esteve vários meses sem competir, chegou à repescagem para o bronze depois de vencer dois combates no seu grupo e perder no apuramento para a meia-final com o georgiano Beka Gviniashvili.

No saldo global foi a única derrota do judoca, que acabou por disputar cinco combates, com quatro vitórias (duas na poule e duas na repescagem).

Tanto Célio Dias, como Jorge Fonseca, estão em posição de qualificação para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, num momento da época em que ainda lutarão por manter ou reforçar as posições e quando o apuramento fecha em maio.

Hoje, também em Tbilisi, Yahima Ramirez, 26.ª do 'ranking' mundial, terminou no quinto lugar nos -78 kg, com a judoca da Casa do Povo de Rio Maior a perder no combate para o bronze frente à brasileira Mayra Aguiar (sexta do mundo).

Yahima, que venceu três de cinco combates, nunca conseguiu impor um judo ofensivo e acabou 'castigada' com quatro penalizações (shidos) e consequente 'ippon' para Mayra Aguiar, a 1.22 minutos do final do combate.

Ainda assim, os dois bronzes e o quinto lugar da luso-cubana foram os melhores resultados que os portugueses conseguiram em Tbilisi, ao terceiro e último dia, e depois de Sergiu Oleinic ter sido sétimo nos -66 kg, na sexta-feira.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.