Jogadores do Sporting decidiram jogar final da Taça

Futebolistas jogam, mesmo sem "condições anímicas e psicológicas", e "sem prejuízo das decisões que cada um tomará"

Os jogadores do Sporting decidiram jogar a final da Taça de Portugal, apurou o DN. Os futebolistas estiveram esta manhã reunidos com o sindicato dos jogadores e respetivos advogados, num hotel em Lisboa, e depois do encontro decidiram jogar no domingo.

Em comunicado divulgado pelo Sindicato dos Jogadores, os futebolistas do plantel principal, dizem que vão jogar, mesmo sem "condições anímicas e psicológicas para de imediato retomarem a sua atividade", porque "a final da Taça é uma festa do futebol português, um espelho do desporto nacional, no qual estão em causa todos os profissionais de futebol, o bom nome de Portugal e a dignidade das instituições". Os jogadores salientam ainda o respeito aos colegas e ao Desportivo das Aves.

No entanto, salientam que esta escolha é feita "sem prejuízo das decisões que cada um tomará" no futuro, deixando aberta a porta a outras medidas.

Isto porque consideram que os acontecimentos de ontem à tarde são de "enorme gravidade e impõe uma reflexão séria, calma e racional no que respeita às suas consequências e eventuais medidas a tomar por cada um, de acordo com os termos e prazos legais".

A final da Taça de Portugal opõe o Sporting ao Desportivo das Aves no domingo, no Estádio Nacional, em Oeiras, a partir das 17:15.

A participação dos jogadores estava em causa depois de ontem à tarde um grupo ter invadido o centro de Alcochete e agredido os jogadores e equipa técnica. Na sequência do ataque, a GNR deteve 23 suspeitos, apreendeu cinco viaturas ligeiras, vários artigos relacionados com os crimes e recolheu depoimentos de 36 pessoas, entre jogadores, equipa técnica, funcionários e vigilantes ao serviço do clube.

Segundo especialistas em direito desportivo, alguns deles com clientes no clube, contactados ontem pelo DN, os jogadores teriam mais hipóteses de rescindir por justa causa se falhassem a Taça de Portugal. Mas se o plantel não estivesse unido nessa decisão, os que jogassem estariam "dizer que afinal havia condições", salientou Moraes Palmeiro.

Exclusivos