João Mário objetivos pessoais pelo título europeu

Jogadores da seleção nacional falam do Euro 2016 com otimismo e muita ambição

Vários futebolistas da seleção portuguesa afirmaram esta segunda-feira que têm como desejo conquistar o Euro2016, mas alertaram para os perigos das seleções presentes na competição, adversários com "valor".

José Fonte, Cédric, Danilo, William Carvalho, João Mário, André Gomes e Éder marcaram presença, em Lisboa, num compromisso publicitário de uma marca de equipamentos desportivos, onde responderam a várias questões, primeiro de um grupo de jovens que tiveram oportunidade de privar mais de perto com os jogadores, e depois dos jornalistas.

"Todos acreditamos que podemos fazer um bom Europeu e é possível ganhar, mas é difícil. Olho para o Europeu como coletivo, trocava uma ambição pessoal pelo título europeu", afirmou o médio João Mário, que encara a participação no Euro 2016 numa perspetiva coletiva.

O central José Fonte, que vai fazer a sua estreia em fases finais, sublinhou que o importante é "acreditar que é possível" conquistar o título

"É uma grande alegria representar a seleção e resta-nos trabalhar e acreditar que é possível [conquistar o europeu]. Os media dizem que temos adversários acessíveis, mas vão ser tratados com respeito, pois têm valor. Aceitamos ser favoritos, mas serão sempre jogos e adversários difíceis", afirmou.

Fonte sublinhou ainda que será importante uma boa recuperação, após uma época intensa: "Chegamos a esta fase com muitos jogos e vai ser fundamental uma boa recuperação física e mental. Quem tiver melhores recursos para recuperar, vai ser certamente um candidato".

Já Cedric Soares, seu companheiro de equipa nos ingleses do Southampton, explicou o que sentiu quando foi convocado e vincou que a ideia de conquistar o Euro tem vindo "a fazer mais sentido".

"Senti-me muito orgulhoso com a chamada à seleção. Estava a ver um jogo da minha equipa quando vi a convocatória e, mal o jogo acabou, fui dar um abraço ao José Fonte. O objetivo é ganhar sempre, mas desde que estamos com Fernando Santos que a ideia sempre foi ganhar o Euro e começou a fazer mais sentido ao longo dos meses de qualificação", explicou.

William Carvalho, médio do Sporting, também se mostrou com vontade vencer a competição, fazendo um pequeno paralelismo com o Mundial de 2014.

"Como português e jogador da seleção tenho a ambição de ganhar o Euro2016, mas temos de pensar jogo a jogo. Espero que não haja tantas lesões como no Mundial de 2014 e que, em relação ao espírito de grupo, o mesmo se mantenha. Se as seleções estão no Euro são difíceis. Teoricamente, podem parecer fáceis, mas se estão no Euro têm valor", destacou.

Também André Gomes, médio do Valência, falou do Mundial do Brasil, e mostrou-se orgulhoso por ter sido chamado à seleção.

"É um orgulho e é fantástico estar com a seleção numa fase final muito importante. Temos a ambição de chegar longe e conquistar o troféu. Estou satisfeito por ser tão jovem e estar numa competição destas. Temos de encarar o último Mundial como aprendizagem, aproveitando os erros para nos tornarmos mais fortes como demonstrámos na qualificação", disse.

Outro médio que esteve presente foi Danilo, que destacou a conquista do Europeu por parte dos sub-17 como exemplo a seguir e se mostrou disponível para jogar a defesa caso seja necessário.

"O exemplo dos sub-17 é muito agradável, esperemos que nós também consigamos vencer. Sinto-me muito confortável a jogar nessa posição [defesa central], se for preciso e o treinador o desejar assim o farei", reiterou.

O avançado Éder, que esta época alinhou na equipa francesa do Lille, garantiu que a seleção terá total apoio dos emigrantes portugueses: "Vamos ser muito bem recebidos em França, muitos portugueses com quem ia falando disseram-me que nos iam apoiar".

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.