João Sousa não resiste a Novak Djokovic

Tenista português perdeu com o número 1 mundial, por 6-4 e 6-1, em 78 minutos.

João Sousa perdeu este domingo, pela terceira vez, contra Novak Djokovi, desta vez no Miami Open, pelos parciais de 6-4 e 6-1. Em agosto de 2013 e 2014 tinha perdido com o sérvio no US Open em três parciais.

Apesar da derrota, o tenista português deu uma boa réplica ao sérvio, essencialmente no primeiro set, com algumas pancadas fantásticas. O jogo esteve empatado a quatro, com um break para cada lado, e Sousa dispôs posteriormente de três oportunidades para fazer 5/4. Falhou e Djokovic foi implacável, fechando depois o set.

No segundo parcial, Djokovic dominou do princípio ao fim, fechando com um amortie espetacular, digno do número 1 do ranking mundial, ao fim de 78 minutos de jogo. O próximo adversário de Novak Djokovic no Miami Open vai ser o austríaco Dominic Thiem, enquanto João Sousa disse adeus aos EUA e vai de seguida para um torneio em Marraquexe.

Pela 12ª vez, João Sousa defrontou um top-5 mundial, somando 11 derrotas e uma vitória sobre Ferrer em setembro de 2013, Kuala Lumpur.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.