Zoro emprestado ao Setúbal

Nem Blackburn Rovers nem West Ham, Zoro vai ser emprestado ao Vitória de Setúbal até final da temporada.

O defesa ganês tinha praticamente tudo certo com o Blackburn Rovers, mas o facto de não lhe ter sido garantida uma permissão de trabalho (precisava de ter feito 75% de jogos pela sua selecção no último ano para jogar em Inglaterra) fez com que a proposta do clube inglês fosse por água abaixo.

Os encarnados encontraram então, quase à última da hora, uma outra solução para o defesa africano, um dos mais bem pagos do plantel, mas que não entrava nas contas do treinador espanhol Quique Flores desde o início da presente temporada.

Curiosamente, o defesa-central vai jogar numa formação de muito má memória para ele. É que na temporada passada fez no Estádio do Bonfim uma exibição para esquecer, num encontro da Taça da Liga, e desde então não mais foi opção para o treinador José Antonio Camacho.

De acordo com o que o DN apurou, o Benfica deu a oportunidade de Zoro rescindir o respectivo contrato e ficar livre para assinar por outro clube. No entanto, o internacional costa-marfinense, de 25 anos, recusou liminarmente essa hipótese.|

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.