Zoro emprestado ao Setúbal

Nem Blackburn Rovers nem West Ham, Zoro vai ser emprestado ao Vitória de Setúbal até final da temporada.

O defesa ganês tinha praticamente tudo certo com o Blackburn Rovers, mas o facto de não lhe ter sido garantida uma permissão de trabalho (precisava de ter feito 75% de jogos pela sua selecção no último ano para jogar em Inglaterra) fez com que a proposta do clube inglês fosse por água abaixo.

Os encarnados encontraram então, quase à última da hora, uma outra solução para o defesa africano, um dos mais bem pagos do plantel, mas que não entrava nas contas do treinador espanhol Quique Flores desde o início da presente temporada.

Curiosamente, o defesa-central vai jogar numa formação de muito má memória para ele. É que na temporada passada fez no Estádio do Bonfim uma exibição para esquecer, num encontro da Taça da Liga, e desde então não mais foi opção para o treinador José Antonio Camacho.

De acordo com o que o DN apurou, o Benfica deu a oportunidade de Zoro rescindir o respectivo contrato e ficar livre para assinar por outro clube. No entanto, o internacional costa-marfinense, de 25 anos, recusou liminarmente essa hipótese.|

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.