Zidane: "Não vejo um Real Madrid sem Cristiano"

A imprensa desportiva tem noticiado uma possível saída de Cristiano Ronaldo

O treinador do Real Madrid, Zinedine Zidane, disse hoje que não vê um futuro do clube sem o futebolista português Cristiano Ronaldo, relembrando o que o avançado já fez ao serviço do clube.

"Cristiano está no seu clube, no que deve estar. O clube, os adeptos e toda a gente o quer. O que já fez... lembro-me sempre disso. Não vejo um Real Madrid sem Cristiano. A parte desportiva é o que me interessa mais. Como sempre, é um momento muito difícil, porque se fala disso [possível saída], e ele está aqui", disse.

A imprensa desportiva tem noticiado uma possível saída de Cristiano Ronaldo, que estará descontente por não ter sido proposta uma renovação de contrato que equiparasse o seu salário a de outros jogadores como Lionel Messi (Barcelona) e Neymar (Paris Saint-Germain).

"Não quero falar sobre isso [se é um bom momento para pedir um aumento]. O contrato e essas coisas... Cristiano tem de falar disso com o clube. O que mais me importa é o que falo com ele sobre o campo. Ele não quer falar sobre outra coisa. O de fora, ele gere e aí não me meto", referiu.

O treinador insistiu que o português só tem de pensar em jogar e que apenas voltará a falar sobre o rendimento do futebolista e sobre o que Cristiano "pode acrescentar em campo", garantindo que o camisola '7' está sempre "concentrado" no trabalho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.