Yaya Touré acusa Guardiola de racismo

Marfinense acusou o seu antigo técnico no Barcelona e no Manchester City de ser cruel e invejoso

Yaya Touré deixou o Manchester City, mas na hora do adeus concedeu uma entrevista à France Football, que será publicada esta terça-feira. Mas já são conhecidas algumas passagens, polvilhadas com críticas violentas a Pep Guardiola, treinador com quem coabitou no Barcelona e no Manchester City.

Touré, que considera Guardiola um treinador "cruel" e "vingativo", não poupa nas palavras: "Lidei com alguém que só queria se vingar de mim. Não sei porquê, mas tenho a impressão de que ele tinha ciúmes de mim, que me via como um adversário."

E continuou com uma insinuação muiito grave sobre o carácter do técnico, tendo como ponto de partida a pouca utilização a que teve direito: "Foi cruel para mim. Alguém acha que Pep teria agido da mesma forma com Iniesta? Chegou a um ponto em que me perguntava se era por causa da minha cor. E não sou o primeiro a pensar assim, outros jogadores do Barça já fizeram essa pergunta. Talvez os jogadores africanos não sejam tratados da mesma forma por certas pessoas. Quando constatamos os problemas de Pep com jogadores africanos, é natural que se faça essa pergunta.".

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."