Xhaka e Shaqiri arriscam ser castigados pela FIFA

Regulamentos são claros quanto a gestos com significado político. FIFA já abriu investigação. Em 2013 o croata Simunic foi suspenso 10 jogos por gesto nazi.

Granit Xhaka e Xherdan Shaqiri podem estar debaixo da alçada disciplinar da FIFA, que já abriu uma investigação por causa do gesto que fizeram após terem marcado os golos da vitória da Suíça frente à Sérvia. Os dois jogadores de origem kosovar imitaram com as mãos a águia da bandeira da Albânia, num gesto simbólico em jeito de contestação pelo facto de os sérvios não reconhecerem a independência do Kosovo.

A Federação Sérvia quer agora que os dois futebolistas sejam castigados, uma vez que os regulamentos da FIFA proíbem claramente qualquer referência de cariz político, gestos ou atos de provocação, ridicularização ou inflamação dos ânimos dentro do campo. Nesse sentido, os sérvios querem que sejam cumpridos os regulamentos, até porque há uns anos alguns adeptos exibiram uma bandeira a dizer "Kosovo é Sérvia".

Ainda para mais há antecedentes que envolveram jogadores. Em 2013 o croata Josip Simunic foi suspenso por dez jogos e multado em 26 mil euros por ter feito uma saudação nazi após a vitória da Croácia frente à Islândia, num jogo de qualificação para o Mundial 2014.

Xhaka e Shaqiri têm sido duramente criticados na Suíça, mas também pela imprensa sérvia, que de uma forma geral considera ter sido uma provocação vergonhosa por parte dos dois jogadores. No final da partida também o selecionador da Suíça, o bósnio Vladimir Petkovic, mostrou-se incomodado com a situação. "Nunca devemos misturar política e futebol", disse.

Granit Xhaka assumiu após o jogo de Kaliningrado que tinha sido "um dia especial" para ele. "Esta vitória foi para a minha família, para a Suíça, Albânia e Kosovo. O gesto foi para todos os que me apoiaram e não para o nosso adversário. Foi um jogo muito emocional", explicou, enquanto Shaqiri optou por dizer que não tinha de explicar o seu gesto.

A verdade é que os dois futebolistas podem agora estar sob alçada disciplinar da FIFA que, se avançar com a punição, poderá deixar a Suíça em maus lençóis para o que resta do Campeonato do Mundo, uma vez que são dois dos mais importantes jogadores da equipa helvética.

Pai de Xhaka espancado na prisão

Granit Xhaka é filho da albanesa Eli e do kosovar Ragip, que aos 22 anos era estudante de engenharia agrícola na Universidade de Pristina e participava em manifestações a favor dos direitos do Kosovo, que ainda era uma província da Jugoslávia. Acabou por ser detido, tendo passado três anos na prisão, onde dividia uma pequena cela com quatro homens. Em entrevista ao jornal The Guardian, Granit revelou que o pai foi mesmo espancado, tendo sido libertado em 1990 graças à Amnistia Internacional, que o ajudou a emigrar para Basileia, na Suíça, onde o médio nasceu.

Shaqiri era ainda um bebé quando os pais fugiram de Gjilan, cidade do Kosovo onde nasceu, por causa da guerra, tendo a sua casa saqueada, destruída e as paredes pintadas. Pior sorte teve a casa dos tios, que foi queimada. O extremo faz questão de não esquecer as suas origens e nas suas chuteiras exibe a bandeira da Suíça na esquerda e a do Kosovo na direita.

Apesar do Kosovo ter-se tornado membro da UEFA e da FIFA em 2016, os dois jogadores decidiram continuar a representar a Suíça. Já Taulant Xhaka, irmão de Granit, tomou a decisão de jogar pelo Kosovo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Arnaldo, Rui e os tuítes

Arnaldo Matos descobriu o Twitter (ou Tuiter, como ele dizia), em 2017. Rui Rio, em 2018. A ambos o destino juntou nesta edição. Por causa da morte do primeiro, que o trouxe à nostálgica ordem do dia, e por o segundo se ter rendido à tecnologia da transmissão de ideias que são as redes sociais. A política não nasceu para as ideias simples com as redes sociais. Mas as redes sociais vieram dar uma ajuda na rapidez ao passar as mensagens. E a chegar a mais gente. E da forma desejada, sem a, por vezes incómoda, mediação jornalística. É isso mesmo que diz, e sem vergonha, note-se, uma fonte do PSD, no trabalho sobre a presença de Rui Rio no Twitter. "É uma via para dizer exatamente o que pensa e dar a opinião, sem descontextualizações." O jornalismo como descontextualização. Ou seja, os políticos que aderem às redes sociais fazem-no no mesmo pressuposto da propaganda. E têm bons exemplos a seguir, como Trump, mestre nos 280 carateres que o ajudaram a ganhar eleições. Foi o Twitter que trouxe Arnaldo Matos das trevas da extrema-esquerda para o meio mediático. Regressou como fenómeno, não apenas pelas polémicas intervenções no velho partido, o MRPP, onde promoveu rixas, expulsou camaradas por desvios de direita, mas, sobretudo, pela excelente adaptação à forma que a tecnologia do Twitter lhe proporcionava para passar a sua mensagem política dura, rápida, cruel e, sim, simplista. Para quem não quer perder muito tempo com explicações, o Twitter é ideal. Numa prosa publicada na página do partido, Luta Popular, Arnaldo Matos fazia o que sabia fazer, doutrina, sobre o assunto. Dizia que as suas publicações, batendo "todos os recordes em Portugal", se tornavam "tão virais" que já nem ele as controlava E sem nenhum recuo ou consideração sobre a origem "capitalista" desta transmissão informativa queixava-se de as mensagens não serem vistas pelos "camaradas do partido". Resumindo: "Os tuítes são pequenas peças de agitação e de propaganda políticas, que permitem aos militantes do PCTP/MRPP manter uma informação permanente sobre a vida política nacional e internacional." Dizia também que este método "fornece uma enorme quantidade de temas que armam a classe operária para a difusão de opiniões que caracterizam os seus pontos de vista de classe". Ninguém diria melhor do que um "educador" de classe, operária ou outra, e nem mesmo Jack Dorsey ou Noah Glass ou Biz Stone, ou Evan Williams, os fundadores da rede social, a saberiam defender de forma tão eficaz. E enganadora. A forma como Arnaldo Matos usava o Twitter era um pouco menos benévola do que podia parecer destas palavras. Zurziu palavras simples e fortes contra velhos ódios: contra o "putedo" da esquerda, o "monhé" António Costa, os sociais-fascistas do PCP e, até, justificando ataques terroristas como os do Bataclan em Paris. Mandava boutades que no ciberespaço se chamam posts. E, depois, os jornalistas faziam o resto, amplificando a mensagem nos órgãos de comunicação social tradicionais. Na reportagem explica-se que o objetivo dos tuítes de Rui Rio é, também, que os jornalistas "peguem" nas mensagens e as ampliem. Até porque ele tem apenas cerca de três mil seguidores - o que não é pouco, tendo em conta a fraca penetração da rede em Portugal. Rio muda quando está no Twitter. É mais contundente e certeiro. Arnaldo Matos era como sempre foi, cruel e populista. Ambos perceberam o funcionamento das redes sociais, que beneficiam os políticos, mas prejudicam a democracia. Porque incentivam ao "tribalismo", juntando quem pensa igual e silenciando quem acha diferentes. Que contribuem para a diluição das mediações que leva com ela o pensamento, a crítica, e traz consigo a ilusão da "democracia direta" que mais não é do que outra forma de totalitarismo. Estas últimas ideias são roubadas da apresentação de Pacheco Pereira na conferência sobre o perigo das fake news organizada nesta semana pela agência Lusa. Dizia ele que não devemos ter complacência com a ignorância - que é a base do espalhar de notícias falsas. Talvez os políticos devessem ser os primeiros a temê-la, à ignorância.