Wolves de Nuno garante regresso à Premier League

Equipa que tem o treinador e seis jogadores portugueses beneficiou de empate do Fulham para festejar subida... no sofá

O Wolverhampton, orientado por Nuno Espírito Santo e que conta com os portugueses Rúben Neves, Roderick, Rúben Vinagre, Diogo Jota, Hélder Costa e Ivan Cavaleiro no plantel, garantiu ontem a promoção à I Liga Inglesa.

O regresso à Premier League, campeonato que os Wolves já não disputam desde 2011/12, foi celebrado... no sofá, pois a equipa só vai entrar hoje (12.00) em campo para a 43.ª jornada, recebendo o Birmingham. O antigo técnico portista e os seus homens beneficiaram do empate caseiro do Fulham com o Brentford (1-1), para assegurar matematicamente a subida. Nas redes sociais, o clube partilhou um vídeo da festa, em pleno hotel, conseguindo ver-se a euforia de Nuno Espírito Santo, seu staff e jogadores.

A formação em que também alinham o central francês Willy Boly, cedido pelo FC Porto, e o antigo avançado brasileiro do Estoril, Léo Bonatini, pode ainda ser campeão da II Liga inglesa, conhecida por Championship. Para já, ao cabo de 42 jogos, soma 28 vitórias, oito empates e seis derrotas, possuindo o melhor ataque da prova (76 golos) e a segunda melhor defesa (36).

A promoção do Wolverhampton foi destacada pela imprensa, que salientou o forte investimento para esta temporada levado a cabo pelo grupo Fosun, proprietário do clube, e cuja legalidade tem sido questionada por alguns clubes que disputam o mesmo campeonato. A BBC salienta o 3x4x3 implementado por Nuno Espírito Santo e a brilhante temporada de Rúben Neves.

Man. City pode fazer a festa hoje...

Quem também pode festejar este fim de semana no sofá é o Manchester City, que ontem cumpriu o seu trabalho e venceu na visita ao Tottenham (3-1). Valeram aos citizens os golos de Gabriel Jesus, Gundogan e Sterling - Eriksen marcou para os spurs -, que deixaram a batata quente nas mãos do Manchester United de José Mourinho. Se esta tarde (16.00) os red devils forem derrotados em casa pelo lanterna vermelha West Bromwich Albion, os homens de Pep Guardiola podem abrir o champanhe.

Também ontem pela liga inglesa, o Swansea de Carlos Carvalhal empatou em casa com o Everton (1-1) e amealhou mais um ponto na luta pela permanência.

... e o Paris Saint-Germain também

Noutras paragens, em França, hoje também pode ser dia de consagração para o Paris Saint-Germain, que esta noite (20.00) recebe o vice-líder Mónaco, de Leonardo Jardim, João Moutinho e Rony Lopes. Uma vitória dos parisienses deixaria os monegascos a 17 pontos impossíveis de alcançar.

A formação do Principado não perde no campeonato há 17 jogos e tem Rony Lopes em grande forma - marcou nos últimos sete encontros na liga -, mas tem cinco jogadores lesionados e foi derrotada nos derradeiros cinco desafios oficiais diante do PSG.

Barcelona bate recorde

Num tarde complicada, diante do terceiro classificado Valência, o Barcelona venceu em casa por 2-1 e tornou-se a primeira equipa da história do campeonato espanhol a estar invicta durante 39 jornadas, batendo o recorde que pertencia à Real Sociedad e era relativo a 1979 e 1980. Os golos de Suárez e Umtiti deram o triunfo aos catalães, que tiveram André Gomes no banco e Nélson Semedo em campo apenas durante o tempo de compensação. Parejo marcou para a formação che, que contou com Rúben Vezo e Gonçalo Guedes no onze.

Este resultado pode permitir ao Real Madrid de Cristiano Ronaldo subir ao último degrau do pódio da liga espanhola, em caso de vitória esta noite (19.45) no reduto do lanterna vermelha Málaga. O vice-líder e carrasco leonino Atlético Madrid recebe o Levante (15.15)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

Orçamento melhoral: não faz bem, mas também não faz mal

A menos de um ano das eleições, a principal prioridade política do Governo na elaboração do Orçamento do Estado do próximo ano parece ter sido não cometer erros. Esperar pelos da oposição. E, sobretudo, não irritar ninguém. As boas notícias foram quase todas libertadas nas semanas que antecederam a apresentação do documento. As más - que também as há - ou dizem pouco à esmagadora maioria da população, ou são direcionadas a nichos da sociedade que não decidem eleições.

Premium

Ricardo Paes Mamede

Tudo o que a troika não fez por nós

A crítica ao "programa de ajustamento" acordado com a troika em 2011 e implementado com convicção pelo governo português até 2014 já há muito deixou de ser monopólio das mentes mais heterodoxas. Em diferentes ocasiões, as próprias instituições em causa - FMI, Banco Central Europeu (BCE) e Comissão Europeia - assumiram de forma mais ou menos explícita alguns dos erros cometidos e as consequências que deles resultaram para a economia e a sociedade portuguesas. O relatório agora publicado pela Organização Internacional do Trabalho ("Trabalho Digno em Portugal 2008-2018: da Crise à Recuperação") veio questionar os mitos que ainda restam sobre a bondade do que se fez neste país num dos períodos mais negros da sua história democrática.

Premium

João Gobern

Simone e outros ciclones

O mais fácil é fazer coincidir com o avanço da idade o crescimento da necessidade - também um enorme prazer, em caso de dúvida - de conversar e, mais especificamente, do desejo de ouvir quem merece. De outra forma, tornar-se-ia estranho e incoerente estar às portas de uma década consecutiva em programas de rádio (dois, sempre com parceiros que acrescentam) que se interessam por escutar histórias e fazer eco de ideias e que fazem "gala" de dar espaço e tempo a quem se desafia para vir falar. Não valorizo demasiado a idade, porque mantenho intacta a certeza de que se aprende muito com os mais novos, e não apenas com aqueles que cronologicamente nos antecederam. Há, no entanto, uma diferença substancial, quando se escuta - e tenta estimular-se aqueles que, por vias distintas, passaram pelo "olho do furacão". Viveram mais (com o devido respeito, "vivenciaram" fica para os que têm pressa de estar na moda...), experimentaram mais, enfrentaram batalhas e circunstâncias que, de alguma forma, nos podem ser úteis muito além da teoria. Acredito piamente que há pessoas, sem distinção de sexo, raça, religião ou aptidões socioprofissionais, que nos valem como memória viva, num momento em que esta parece cada vez mais ausente do nosso quotidiano, demasiado temperado pelo imediato, pelo efémero, pelo trivial.

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.