William é quase certo num onze com algumas alterações

Fernando Santos acredita que o médio está melhor das dores musculares e deve lançar Moutinho, Bernardo e Guedes

William Carvalho passou os últimos dias com dores musculares, mas segundo o selecionador nacional Fernando Santos deverá estar apto para ser utilizado esta tarde, em Sochi, diante do Uruguai, em jogo dos oitavos-de-final do Mundial 2018. "À partida estarão todos os jogadores aptos, o William vamos ver...", atirou o técnico nacional.

Com a previsível recuperação do médio defensivo, o mais provável é que o selecionador faça três mudanças relativamente ao jogo com o Irão, da última jornada da fase de grupos, sendo que o setor defensivo deverá manter-se inalterável.

Será no meio-campo onde se devem registar as principais mudanças, com Bernardo Silva a voltar ao lado direito, em vez de Ricardo Quaresma, uma vez que o jogador do Manchester City poderá dar à equipa mais capacidade de posse de bola que o extremo do Besiktas. Tendo em conta que será um jogo de tudo ou nada, é bem possível que regresse também João Moutinho, jogando mais descaído pelo lado esquerdo da linha média, em vez de João Mário, que tem estado um pouco abaixo daquilo que se esperava dele. Nesse sentido, Adrien Silva manter-se-á junto de William Carvalho na zona central, contando com a ajuda de João Moutinho para bloquear a fonte de alimentação dos uruguaios à dupla de avançados formada por Luis Suárez e Cavani.

No ataque, Cristiano Ronaldo é, obviamente, intocável, mas deverá voltar a ter como parceiro Gonçalo Guedes, que deverá ocupar o lugar que frente ao Irão foi de André Silva. O objetivo será dar maior mobilidade à linha avançada de Portugal, procurando fazer frente a uma defesa que ainda não sofreu golos e que tem nos centrais Giménez e Diego Godín, que jogam juntos no Atlético de Madrid, um dos pontos mais fortes da seleção uruguaia.

Com a velocidade e capacidade de desequilíbrio de Gonçalo Guedes, a seleção poderá ter maiores possibilidades para abrir espaços para a entrada dos médios na área adversária, ao mesmo tempo que aumenta a fonte de preocupação dos uruguaios que assim não ficam limitados às movimentações de Ronaldo. Isto porque André Silva é um avançado mais posicional e, como tal, mais útil para quando a equipa joga em ataque posicional, o que não deverá ser o caso deste jogo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.