Vuelta 2018 "fiel ao seu ADN", com muita montanha

Percuirso da edição de 2018 da Volta a Espanha em bicicleta foi apresentado este sábado. Montanha promete marcar a próxima Vuelta.

A Vuelta 2018 em ciclismo permanecerá fiel ao seu DNA, com nove tiradas de montanha, num percurso que ligará Málaga a Madrid, entre 25 de agosto e 16 de setembro. A apresentação do percurso da prova decorreu na manhã deste sábado, no auditório Felipe VI, em Estepona, Málaga, e esteve a cargo do diretor da Vuelta, Javier Guillen, e do diretor da corrida, o antigo ciclista Fernando Escartin.

A saída de Málaga, oito dias na metade sul do país, um tríptico de montanha junto à costa atlântica e um final no principado de Andorra são os momentos mais fortes da 73.ª edição da Volta a Espanha.

"Queremos que a montanha se torne a chave para decidir a Vuelta", salientou Javier Guillen, explicando que estão a descobrir novas subidas e que são elas "as marcas de identidade", que permitirão dar um novo ímpeto à corrida.

O responsável identificou a subida de 'Las Praeres' e do Balcão de Bizkaia, junto à costa atlântica, como duas novidades, que trarão aos trepadores dificuldades acrescidas.

A Vuelta regressará este ano à Covatilla, sete ano após o sucesso do irlandês Dan Martin, e, sobretudo, aos lagos de Covadonga, onde em 2016 o colombiano Nairo Quintana 'agarrou' a camisola de líder.

No resumo do traçado, a organização estabeleceu seis etapas planas, para os 'sprinters' e duas outras que terminam em montanha, seis etapas de montanha média e cinco de montanha, duas de contrarrelógio (40,7 quilómetros), e dois dias de descanso.

Para Javier Guillen, trata-se de percurso "equilibrado, com oportunidades para todos que procuram o espetáculo do princípio ao fim", em que a etapa rainha no penúltimo dia, com um final no alto de la Gallina e meta a quase 1.580 metros de altitude.

- Etapa da Vuelta 2018:

25 ago: 1.ª etapa, Málaga-Málaga, 8 kms (CRI).

26 ago: 2.ª etapa, Marbella - Caminito del Rey, 163,9 kms.

27 ago: 3.ª etapa, Mijas-Alhaurin de La Torre, 182,5 kms.

28 ago: 4.ª etapa, Vélez-Málaga-Alfacar, 162 kms.

29 ago: 5.ª etapa, Granada-Roquetas de Mar, 188 kms.

30 ago: 6.ª etapa, Huerca-Overa-San Javier, 153 kms.

31 ago: 7.ª etapa, Puerto Lambreras-Pozo Alcon, 182 kms.

01 set: 8.ª etapa, Linares-Almaden, 195,5 kms.

02 set: 9.ª etapa, Talavera de La Reina-La Covatilla, 195 kms.

03 set: Dia de descanso.

04 set: 10.ª etapa, Salamanca-Fermoselle-Bermillo de Sayago, 172,5 kms.

05 set: 11.ª etapa, Mombuey-Luintra, 208,8 kms.

06 set: 12.ª etapa: Mondonedo-Estaca de Bares, Manon, 177,5 kms.

07 set: 13.ª etapa, Candas-La Camperona, 175,5 kms.

08 set: 14.ª etapa, Cistierna-Nava, 167 kms.

09 set: 15.ª etapa, Ribera de Arriba-Lagos de Covadonga, 185,5 kms.

10 set: Dia de descanso.

11 set: 16.ª etapa, Santillana del Mar-Torrelavega, 32,7 kms (CRI).

12 set: 17.ª etapa, Getxo-Balcã de Bizkaia, 166,4 kms.

13 set: 18.ª etapa, Ejea de los Caballeros-Lérida, 180,5 kms.

14 set: 19.ª etapa, Lérida-Andorra (Naturlandia), 157 kms.

15 set: 20.ª etapa, Escaldes-Engordany (Andorra)-Alto de la Gallina, santuário de Canolich, 105,8 kms.

16 set: 21.ª etapa, Alcórcon-Madrid, 112 kms.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.