Italiano Trentin soma segunda vitória, Froome segue líder

Ciclista de 28 anos fez os cerca de 165 quilómetros da 10.ª etapa em 3:34.56 horas

O ciclista italiano Matteo Trentin (Quick-Step Floors) obteve esta terça-feira a segunda vitória na Volta a Espanha, ao ganhar a 10.ª etapa, com o britânico Chris Froome (Sky) a conservar a liderança da geral individual.

Depois de vencer na quarta etapa, o italiano de 28 anos cumpriu os 164,8 quilómetros do dia ao fim de 3:34.56 horas, batendo ao sprint o companheiro de fuga, o espanhol José Joaquín Rojas (Movistar), que terminou a um segundo, com Jaime Roson (Caja Rural-Seguros RGA) a fechar o pódio, a 19 segundos.

O irlandês Nicolas Roche (BMC), terceiro da geral, ganhou 29 segundos aos dois da frente e igualou o colombiano Johan Esteban Chaves (Orica-Scott) na perseguição a Froome, ficando ambos com um atraso de 36 segundos para o camisola vermelha, na véspera da ligação entre Lorca e o Observatório Astronómico de Calar Alto, de 187,5 quilómetros, com duas subidas de primeira categoria, a última a coincidir com a meta.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.