Volta a Espanha de 2017 parte pela primeira vez de França

Javier Guillén explicou que a edição de 2017 da 'grande' espanhola manterá "a emoção até ao final

A Volta a Espanha de 2017 partirá, pela primeira vez, de França, anunciou esta quinta-feira a organização, que incluiu nove chegadas em alto no percurso que os ciclistas vão percorrer de 19 de agosto a 10 de setembro.

A prova espanhola, este ano 'afrancesada' com duas etapas completas no país vizinho, incluindo o arranque com um contrarrelógio por equipas de 13,8 quilómetros em Nîmes, oferece um traçado atrativo para escaladores, com nove finais em alto, entre eles o temido Angliru (20.ª etapa), que regressa após quatro anos de ausência, e o inédito Los Machucos (17.ª), mas reduz o número de quilómetros e os 'muros' com pendentes de inclinação proibitivas.

"É um traçado 'Vuelta', com a nossa personalidade, que tem finais em alto, menos rampas e etapas curtas de montanha, que podem ser relevantes. Além disso, diminuímos a quilometragem, 200 menos que o 'Tour' e o 'Giro', o que significa menos uma etapa", resumiu à EFE o diretor da corrida.

Desde o 'passeio' nas ruas romanas de Nîmes até à chegada a Madrid serão poucos os momentos de descanso para o pelotão, com o contrarrelógio de 42 quilómetros entre Navarra e Logroño, marcado para a 16.ª etapa, a ser o grande obstáculo para as aspirações dos trepadores.

Javier Guillén explicou que a edição de 2017 da 'grande' espanhola manterá "a emoção até ao final, com jornadas chave na última semana, como o crono de Logroño, as etapas de Santo Toribio de Liébana e Gijón e Angliru antes de chegar a Madrid".

"O ano passado pusemos [no percurso] mais finais com rampas curtas e explosivas, onde as diferenças eram pequenas e este ano apostámos em menos finais duros e etapas de montanha curtas que podem ser mais duras e perigosas. Para compensar os roladores, optámos por um crono de 42 quilómetros, um dos mais longos dos últimos anos", acrescentou o diretor da prova.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Tempo de fugir de casa para regressar à terra

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.