Vítor Oliveira quer provocar surpresa na receção ao favorito FC Porto

O treinador dos algarvios disse este sábado que espera provocar "uma surpresa na receção ao favorito" FC Porto, antevendo que só um Portimonense no limite das suas capacidades poderá criar uma séria oposição ao líder da I Liga.

"Entendemos que o FC Porto é notoriamente favorito para este jogo, mas senti na minha equipa confiança e vontade de provocar uma surpresa, porque uma vitória com os portistas será sempre uma surpresa, porque ainda não perdeu para o campeonato", afirmou o treinador dos algarvios.

Vítor Oliveira falava aos jornalistas na conferência de imprensa de antevisão do encontro que opõe no domingo, às 20:15, o Portimonense, 10.º classificado, com 27 pontos, ao FC Porto, primeiro, com 61.

Na opinião do técnico algarvio, o FC Porto "é uma equipa muito forte, que teve uma reação fortíssima a uma derrota perfeitamente anormal para as competições europeias, mas que internamente continua invicta, o que demonstra o seu poderio enquanto conjunto".

Embora atribua o favoritismo ao FC Porto para o embate de domingo, Vítor Oliveira assegurou que o Portimonense "está fortemente motivado para criar complicações" ao adversário.

"Vamos ver se conseguimos ser iguais a nós próprios, se conseguimos jogar aquilo que sabemos produzir. Se isso acontecer, iremos, certamente, criar dificuldades", sublinhou.

Para o técnico dos algarvios, o FC Porto vale pelo seu coletivo, determinação com que aborda os jogos, batendo-se sempre de uma forma voluntariosa, solidária e competitiva, uma equipa que diz a que "não estávamos habituados a ver nos últimos anos em Portugal".

"Todos estes fatores estão na base do sucesso do FC Porto", destacou.

Vítor Oliveira considerou que para "complicar ao máximo a vida" ao FC Porto, o Portimonense terá que se apresentar no limite das suas capacidades e aproveitar algumas das limitações do adversário demonstradas nos últimos jogos.

"Se isso acontecer, as nossas possibilidades aumentam um bocadinho e poderemos ter algum êxito. Mas se apanharmos o melhor FC Porto vai ser tremendamente difícil", concluiu.

O jogo entre Portimonense (10.º classificado) e FC Porto (1.º), da 24.ª jornada da I Liga, disputa-se no domingo no estádio municipal de Portimão (20.15).

Pedro Sá e Tabata regressam aos convocados

Pedro Sá e Tabata regressaram aos convocados do Portimonense, depois de terem estado ausentes da jornada anterior na deslocação a Santa Maria da Feira, em que os algarvios venceram o Feirense, por 3-1, cumprindo um jogo de castigo por acumulação de cartões amarelos.

Se os dois jogadores voltam a ser opção para Vítor Oliveira, o mesmo não sucede com Fede Varela e Galeno, jogadores que ficaram de fora da convocatória para o confronto com o líder do campeonato, por força dos regulamentos, uma vez que estão emprestados ao emblema algarvio pelo FC Porto.

De fora das escolhas do técnico algarvio, por opção, ficaram o guarda-redes Léo, Ricardo Pessoa, Hebling, André Clovis, Rui Costa e Jadson, apesar deste último ter já recuperado dos problemas físicos contraídos diante do Benfica, na 22.ª jornada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.