Vítor Oliveira: "Não demos réplica ao FC Porto"

Treinador dos algarvios analisou a visita deste domingo do FC Porto ao terreno do Portimonense, que terminou com vitória azul e branca por 5-1, em partida da 24.ª jornada da I Liga

Vítor Oliveira, treinador do Portimonense, mostrou-se este domingo cabisbaixo com a pesada derrota com o FC Porto, por 5-1, revelando, ainda assim, esperança para o que falta do campeonato.

"O FC Porto é uma equipa muito forte. O resultado foi muito duro, mas mais por mérito do FC Porto do que demérito nosso. Resolveram o jogo na primeira parte, altura em que não demos réplica ao FC Porto", começou por dizer o treinador, revelando confiança para as próximas partidas.

"Sabemos que não estivemos bem, temos de pedir desculpas aos adeptos, mas estamos preparados para uma reta final de campeonato muito competitiva", salientou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.