Violência no jogo entre Rio Tinto e Canelas "é caso de polícia"

Presidente da Liga diz que se exigem "medidas drásticas"

O presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), Pedro Proença, repudiou hoje o episódio de violência que aconteceu no domingo, no jogo entre o Rio Tinto e o Canelas, com agressão de um jogador a um árbitro.

Apesar do incidente se ter passado fora da esfera do futebol profissional, que Pedro Proença tutela, o dirigente considerou que o incidente "é um caso de polícia".

"É um problema que está a acontecer no futebol não profissional, e tenho de repudiar estes atos de barbárie que têm acontecido. São casos de polícia, que nada espelham a qualidade do futebol em Portugal", sublinhou.

Pedro Proença antecipou "que todos os agentes do futebol profissional e não profissional vão dar uma resposta muito eficaz" ao que aconteceu, considerando que este caso deve promover uma reflexão aprofundada.

"Temos de repudiar estes atos, nomeadamente as 44 agressões a árbitros que já aconteceram no futebol não profissional. Isso tem de nos levar a uma reflexão muito profunda, porque todos somos responsáveis e exigem-se medidas drásticas para que isto não volte a acontecer", sublinhou.

Como ex-árbitro, que também já foi alvo de um episódio de violência, quando foi agredido por um adepto, Pedro Proença deixou uma mensagem para José Rodrigues, o árbitro agredido no Rio Tinto-Canelas, na divisão de elite da Associação de Futebol do Porto.

"Deixo-lhe palavras de muito ânimo, porque sei o que o meu ex-colega está a passar. Mas o que não nos mata torna-nos mais fortes, e estou certo que ele será muito mais árbitro amanhã", transmitiu.

Pedro Proença, que abordou este assunto à margem do Fórum de Treinadores, promovido, em Gondomar, pela Associação Nacional de Treinadores e Futebol, quis estender a sua solidariedade a toda a classe da arbitragem.

"As equipas de arbitragem são verdadeiros heróis neste nosso futebol", rematou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".