Violência no jogo entre Rio Tinto e Canelas "é caso de polícia"

Presidente da Liga diz que se exigem "medidas drásticas"

O presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), Pedro Proença, repudiou hoje o episódio de violência que aconteceu no domingo, no jogo entre o Rio Tinto e o Canelas, com agressão de um jogador a um árbitro.

Apesar do incidente se ter passado fora da esfera do futebol profissional, que Pedro Proença tutela, o dirigente considerou que o incidente "é um caso de polícia".

"É um problema que está a acontecer no futebol não profissional, e tenho de repudiar estes atos de barbárie que têm acontecido. São casos de polícia, que nada espelham a qualidade do futebol em Portugal", sublinhou.

Pedro Proença antecipou "que todos os agentes do futebol profissional e não profissional vão dar uma resposta muito eficaz" ao que aconteceu, considerando que este caso deve promover uma reflexão aprofundada.

"Temos de repudiar estes atos, nomeadamente as 44 agressões a árbitros que já aconteceram no futebol não profissional. Isso tem de nos levar a uma reflexão muito profunda, porque todos somos responsáveis e exigem-se medidas drásticas para que isto não volte a acontecer", sublinhou.

Como ex-árbitro, que também já foi alvo de um episódio de violência, quando foi agredido por um adepto, Pedro Proença deixou uma mensagem para José Rodrigues, o árbitro agredido no Rio Tinto-Canelas, na divisão de elite da Associação de Futebol do Porto.

"Deixo-lhe palavras de muito ânimo, porque sei o que o meu ex-colega está a passar. Mas o que não nos mata torna-nos mais fortes, e estou certo que ele será muito mais árbitro amanhã", transmitiu.

Pedro Proença, que abordou este assunto à margem do Fórum de Treinadores, promovido, em Gondomar, pela Associação Nacional de Treinadores e Futebol, quis estender a sua solidariedade a toda a classe da arbitragem.

"As equipas de arbitragem são verdadeiros heróis neste nosso futebol", rematou.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?