Vencedor da Liga das Nações pode arrecadar 7,5 milhões de euros

O vencedor da nova competição de seleções pode ganhar 7,5 milhões de euros, anunciou a UEFA no seu sítio oficial na Internet

O organismo revelou os montantes envolvidos na sua nova competição de seleções, que vai substituir os jogos particulares e começa a ser disputada em setembro e na qual Portugal está inserido no Grupo 3 da Liga A, juntamente com Itália e Polónia.

A UEFA planeia distribuir 76,25 milhões de euros pelas 55 seleções participantes, atribuindo 1,5 milhões às da Liga A, um milhão às da B, 750 mil euros às da C e 500 mil à da D, sendo que este montante duplica para o vencedor de cada um dos quatro grupos de cada uma das Ligas.

Os quatro primeiros classificados dos agrupamentos da Liga A vão disputar em junho de 2019 o troféu da Liga das Nações, cujo prémio de vitória é de 4,5 milhões de euros, o finalista 3,5, o terceiro classificado 2,5 e o quarto 1,5.

Desta forma, o primeiro vencedor da Liga das Nações amealha 7,5 milhões de euros, um valor substancialmente superior aos que estão nos escalões inferiores podem aspirar, que são, no máximo, de dois milhões para a Liga B, 1,5 para a C e um milhão para a D.

A Liga das Nações está dividida em quatro ligas, nas quais participam as 55 seleções da Europa em função do seu 'ranking' continental: a vencedora de cada uma das ligas (A, B, C e D) tem lugar no próximo Campeonato da Europa, caso não o tenha conseguido através da normal fase de qualificação.

Os quatro últimos de cada grupo são relegados para a Liga B na seguinte edição, sendo que desta sobem outros quatro à Liga A -- o sistema repete-se com os grupos C e D.

As jornadas decorrem entre 06 e 08 de setembro e 18 e 20 de novembro deste ano e, no início de dezembro, serão sorteadas as meias-finais, decorrendo a fase final de 05 a 09 de junho de 2019.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.