Velejador francês Thomas Coville bate recorde do mundo em solitário

Coville "pulverizou" anterior recorde em oito dias

O navegador francês Thomas Coville, 'skipper' do veleiro 'Sodebo Ultim', estabeleceu hoje um novo recorde do mundo de vela em solitário, com a marca de 49 dias 3:07.38 horas.

Coville, que partiu de Brest (França) em 6 de novembro último e cortou hoje a linha de chegada virtual instalada em Ouessant, na Bretanha, "pulverizou" o anterior recorde em oito dias, marca que era pertença do seu compatriota Francis Joyon, que em 2008 tinha efetuado a volta em 57 dias 13:.06 horas.

A marca de Coville é tão extraordinária se comparada com os três anos que foram necessários para o canadiano Joshua Slocum realizar pela primeira vez o feito, há mais de um século (1895).

São várias as categorias para se realizar voltas ao mundo: em solitário com escala, sem escala, mas com tripulação, voltas ao mundo em solitário e sem escala em monocascos, voltas ao mundo em solitário, sem escala e em catamarã, os barcos mais rápidos e categoria na qual se inscreve Coville.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.