Usain Bolt eleito "Atleta do Ano" nos Laureus

O jamaicano Usain Bolt, triplo campeão olímpico em Londres2012, foi hoje distinguido pela terceira vez com o prémio Laureus para o melhor desportista do ano, um galardão que vai juntar aos de 2009 e 2010.

Bolt, que venceu os 100, 200 e 4x100 metros nos Jogos Olímpicos de Londres, manteve a tradição dos prémios Laureus, que desde 2004 só são atribuídos a atletas ou tenistas.

Recordista mundial dos 100 e 200 metros, o jamaicano recolheu mais votos do que o britânico Bradley Wiggins, primeiro britânico a vencer a Volta a França em bicicleta e campeão olímpico de contrarrelógio em Londres2012, o nadador norte-americano Michael Phelps, o alemão Sebastien Vettel, o mais jovem piloto de sempre a completar o tricampeonato na Fórmula 1, o argentino Lionel Messi, quatro vezes Bola de Ouro, e o britânico Mo Farah, campeão olímpico dos 5.000 e 10.000 metros.

A escolha para desportista feminina do ano recaiu na britânica Jessica Ennis, primeiro rosto da glória britânica em Londres2012.

O título olímpico no heptatlo deu-lhe a vitória frente às norte-americanas Allyson Felix (atletismo), Missy Franklin (natação), Serena Williams (ténis) e Lindsey Vonn (esqui) e a jamaicana Shelly-Ann Fraser-Pryce (atletismo).

Félix Sánchez, campeão olímpico dos 400 metros barreiras, foi distinguido com o prémio Laureus para o melhor regresso desportivo de 2012, batendo o atleta etíope Tirunesh Dibaba, o golfista sul-africano Ernie Els, a equipa europeia da Ryder Cup, a ciclista australiana Anna Meares e a seleção alemã de remo.

O dominicano surpreendeu a concorrência de peso para conquistar o seu segundo ouro olímpico, depois de vários anos de lesões que se sucederam ao título em Atenas2004.

O galardão de melhor equipa do ano foi entregue à equipa europeia da Ryder Cup, protagonista de uma recuperação quase impossível frente aos Estados Unidos.

O golfe europeu superou na votação a seleção olímpica chinesa de ténis de mesa, os Miami Heat, vencedores do título da Liga norte-americana de basquetebol (NBA), a Red Bull, a equipa dominadora da Fórmula 1, a seleção espanhola de futebol, campeã europeia em 2012, e a seleção norte-americana de basquetebol, campeã olímpicos.

2012 foi a época de Andy Murray, com o britânico a conquistar finalmente o primeiro Grand Slam da carreira no Open dos Estados Unidos, poucas semanas depois de vencer o ouro olímpico na competição que decorreu no seu país e, por isso, a Fundação Laureus distinguiu-o como revelação do ano.

Os Laureus, cuja gala decorreu no Rio de Janeiro, premiaram ainda o nadador brasileiro Daniel Dias (Atleta com Deficiência), dono de seis medalhas de ouro individuais em Londres2012, e o saltador austríaco Felix Baumgartner (Atleta de Ação), que foi mais rápido que a velocidade da luz.

Sem direito a um Laureus, um dos poucos que lhe faltam no currículo, o ex-nadador Michael Phelps recebeu das mãos de Sir Steve Redgrave o prémio "Conquista Excecional", uma homenagem a uma carreira que lhe valeu o recorde de medalhas olímpicas (22).

O norte-americano, que se retirou depois de Londres2012, nunca conquistou o Laureus para atleta do ano, apesar de ter estado nomeado em cinco ocasiões (2004, 2005, 2008, 2009 e 2013).

Os nomeados para os prémios Laureus foram escolhidos através de uma votação realizada por 2.000 jornalistas desportivos de todo o mundo.

Os nomes dos vencedores foram decididos pela Academia Laureus, composta por 46 representantes dos melhores desportistas masculinos e femininos de todos os tempos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.