US Open: Del Potro 'despacha' Federer e marca encontro com Nadal

Argentino bateu suíço nos quartos de final do último 'Grand Slam' do ano

O argentino Juan Martin Del Potro, 28.º jogador mundial, afastou quarta-feira Roger Federer, terceiro, do Open dos Estados Unidos e da liderança do 'ranking', ao bater o suíço nos quartos de final do último 'Grand Slam' do ano.

Frente ao jogador frente ao qual conquistou a edição 2009 da prova, Del Potro superiorizar-se pela sexta vez, em 22 embates, desta vez por 7-5, 3-6, 7-6 (10-8) e 6-4, em 2:51 horas e após salvar quarto 'set points' no 'tie break' do terceiro parcial.

"Fiz o meu melhor jogo do torneio e penso que mereci esta vitória", disse Juan Martin Del Potro, que na eliminatória anterior salvou dois 'match points' face ao austríaco Dominic Thiem, para vencer o embate em cinco 'sets'.

Nas meias-finais, Del Potro vai encontrar o espanhol Rafael Nadal, líder do 'ranking' mundial, que superou nos 'quartos' o russo Andrey Rublev, 53.º da hierarquia, e procura o terceiro título no US Open, após as vitórias em 2010 e 2013.

No fecho dos 'quartos', o argentino venceu o primeiro 'set' depois de aproveitar o único ponto de 'break' do parcial: com 5-5, Federer cometeu uma 'dupla falta' e ofereceu um 30-40 ao argentino, que não desperdiçou, fechando depois no seu serviço.

O segundo parcial decidiu-se no quarto jogo, com Del Porto, em desvantagem por 2-1, a fazer um jogo de serviço em branco, que nunca mais recuperou, perdendo por 6-3.

No terceiro, Del Potro quebrou o serviço ao suíço no segundo jogo, após uma 'dupla falta' e avançou para 3-0. Ainda teve um ponto para 4-0, mas Federer recuperou, devolveu o 'break' no sétimo jogo, também após 'dupla falta', e forçou o 'tie break'.

O equilíbrio pautou o desempate, mas o helvético conseguiu adiantar-se para 6-4: teve dois pontos consecutivos para se adiantar para 2-1 em 'sets', mas desperdiçou-os, tal como a liderar por 7-6 e 8-7 e o argentino, soberbo, virou para 10-8.

Novamente em vantagem, Del Potro entrou por cima no quarto parcial e, ao quinto jogo, conseguiu o 'break' que, depois, soube gerir, com grande categoria, até final.

Antes, o maiorquino Nadal, de 31 anos, venceu Rublev por 6-1, 6-2 e 6-2, para atingir a 26.ª meia-final da sua carreira em torneios do 'Grand Slam', a sexta no US Open e a primeira desde que ganhou o torneio norte-americano pela segunda vez.

A outra meia-final será jogada entre o espanhol Pablo Carreno-Busta, 19.ª ATP, e o sul-africano Kevin Anderson, 32.º, jogadores que nunca chegaram a uma final do 'Grand Slam'.

No quadro de singulares femininos, Madison Keys superou Kaia Kapeni, da Estónia, e selou umas meias-finais 100 por cento norte-americanas.

Keys, 15.ª jogadora mundial, superou Kanepi, a 418.ª, em dois 'sets', por um duplo 6-3, em uma hora e nove minutos, juntando-se às compatriotas Coco Vandeweghe, 22.ª, que vai defrontar, Venus Williams, nona, e Sloane Stephens, 83.ª.

A presença de quarta jogadoras da 'casa' não é inédita, mas já não acontecia há 36 anos, mais precisamente desde a edição de 1981, quando as 'meias' foram disputadas por Chris Evert, Martina Navratilova, Barbara Potter e Tracy Austin, que venceu.

Quatro anos depois, em Wimbledon, repetiu-se, pela última vez, a presença de quatro norte-americanas nas meias-finais de um torneio do 'Grand Slam', com Evert e Navratilova a serem acompanhadas por Zina Garrison e Kathy Rinaldi.

Das quatro semi-finalistas, apenas Venus Williams, de 37 anos, ganhou o Open dos Estados Unidos, em 2000 e 2001, ou qualquer outro torneio do 'Grand Slam'.

No outro encontro dos quartos de final da jornada de quarta-feira do quadro feminino, Vandeweghe surpreendeu a número 1 mundial e finalista vencida em 2016, a checa Karolina Pliskova, vencendo em dois 'sets', pelos parciais de 7-6 (7-4) e 6-3.

Ao falhar o acesso às meias-finais, Pliskova perdeu também a oportunidade de segurar a liderança do 'ranking' mundial, que entregou a Garbine Muguruza, a primeira espanhola a chegar ao primeiro posto WTA desde Arantxa Sánchez, em 1995.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.