Um português que sofre pela Argentina... por amor

Gonçalo e Paola vibraram juntos com o jogo da Argentina frente à Nigéria na Arena do Terreiro do Paço

Em 2014, Gonçalo Graça partiu numa viagem de sete meses pela América Latina e o destino levou-o a conhecer Paola Guanca. E foi assim que começou esta história de amor entre um português e uma argentina. "Conhecemo-nos na Bolívia e durante algum tempo vivemos juntos em Buenos Aires. Mas agora decidimos mudar de ares. Escolhemos Lisboa, a minha cidade, para construir a nossa vida. E felizmente Paola adora Portugal", contou Gonçalo, que hoje não hesita em torcer pela Argentina no jogo diante da Nigéria.

"Lá em casa estamos divididos em relação a quem é o melhor jogador do mundo. Ela defende o Messi, mas eu acho que o melhor é o Ronaldo. Mas quanto ao jogo de hoje, quero que Argentina ganhe e passe aos oitavos. Já se tivermos um Portugal x Argentina a história será diferente", confessou.

Paola está de alma e coração com a seleção das pampas e considera que a responsabilidade da campanha irregular da Argentina não pode ser atribuída simplesmente ao capitão de equipa: "A imprensa do meu país fala muito sobre Messi, coloca muita pressão sobre os jogadores e no treinador. Sinceramente acho que Messi não tem o perfil de liderança que muitos esperam dele. Mas não é por isso que deixa de ser um jogador fantástico. Estou otimista que vamos passar a fase grupos!".

Independentemente do resultado, Gonçalo garante que nada muda. "Quer a Argentina ganhe ou perca, continuamos amigos. Ou um bocadinho mais que amigos (risos)! E, claro, sempre temos Portugal ainda em competição", concluiu. E, com muito sofrimento, também a Argentina.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.