Um a um: saiba como jogaram Ronaldo e companhia

Ronaldo foi o melhor em campo. Moutinho e William Carvalho também se destacaram. Quaresma entrou e entusiasmou a seleção nacional

Cristiano Ronaldo - 10 (A figura do jogo)

Um jogo para a história, o auge ao serviço da seleção nacional. Uma exibição memorável diante da seleção do país onde se distinguiu nos últimos anos como o maior futebolista da história do melhor clube do mundo. Um penálti conquistado e transformado, um remate feliz facilitado por De Gea e um livre transformado na perfeição após ganhar a falta. Três golos em três remates à baliza, muitos duelos ganhos diante daqueles que são seus colegas e adversário e o impacto num grande palco. Hoje fala-se da exibição de Eusébio com a Coreia do Norte, dentro de 30 anos falar-se-á da de Ronaldo frente à Espanha.

Rui Patrício - 5

Não teve uma noite fácil. Sofreu três golos, mostrou algumas inseguranças e, sem que se possa dizer que tenha sido culpado, dá a ideia de que podia ter abordado melhor os lances do primeiro e do segundo golo espanhóis, sobretudo neste último.

Cédric - 5

Uma exibição sofrida, com pouco oxigénio para fazer algo mais do que defender. "Levar" com Isco, Iniesta e Jordi Alba não é tarefa fácil. Mostrou ainda pouco entendimento com Bernardo Silva, que tinha a missão de o ajudar a cobrir o lado direito da defesa.

Pepe - 5

Sofreu falta evidente de Diego Costa no primeiro golo, ganhou menos duelos do que se esperava, muito por culpa da mobilidade e imprevisibilidade hispano-brasileiro. Na retina ficou a qualidade do costume no passe longo, foi assim que começou, quase do nada, o segundo golo de Portugal.

José Fonte - 6

Pareceu ser mais réu do que vítima, pois mostrou melhor posicionamento do que os seus colegas de setor. Contudo, sempre que o ritmo ia para uma rotação mais elevada sentia dificuldades em acompanhar o andamento. Jogar na Liga chinesa tem as suas desvantagens...

Raphaël Guerreiro - 5

Mais confiante a atacar do que a defender, onde cometeu erros sem razão aparente. A sociedade que formou com Bruno Fernandes, no lado esquerdo, prometeu nos minutos iniciais, mas o facto de Portugal ter pouca bola não ajudou a dissipar se essa foi apenas uma primeira impressão.

Bernardo Silva - 4

Um jogo que lhe deve ter dado pouco ou nenhum prazer. É um jogador de posse, que se delicia com bola e sofre sem ela. Passou 69 minutos angustiado a mostrar disciplina tática e a ignorar o talento que Deus lhe deu.

João Moutinho - 7

Belo jogo do médio de 31 anos em especial na primeira parte e em particular sem bola. Há poucos jogadores que tenham tanta noção do espaço como o jogador do Mónaco, que "puxou" da sua experiência para superar os momentos de maior poderio do adversário.

William Carvalho - 7

Uma vontade declarada ainda de ser mais prático do que o costume. Mais intenso do que o normal nos duelos e bastante eficaz no passe longo. Foi um bocadinho abaixo quando a Espanha passou pela primeira vez para a frente do marcador, mas nunca perdeu o norte mesmo quando se pressentia que o empate era quase uma miragem.

Bruno Fernandes - 5

Bastante voluntarioso mesmo a jogar a médio-esquerdo, posição onde nunca alinhou na última época pelo Sporting. Envolveu-se no lance do primeiro golo, fez um passe de morte a Ronaldo, que resolveu oferecer o 2-0 a Gonçalo Guedes, e tentou sempre cumprir a missão destinada, mesmo que tivesse pouco a ver com as suas características. Saiu esgotado... física e mentalmente.

Gonçalo Guedes - 4

Podia ter saído em ombros pelo que ofereceu ao jogo e por dois lances em que esteve perto do 2-0. No primeiro falou mais alto a reverência ao capitão, no segundo não esperava o passe de Ronaldo. Ainda deixou a sua marca ao ser (mal) batido nas alturas por Busquets na jogada do 2-2.

João Mário - 6

Bela entrada em campo a querer ter bola, a querer resolver o problema que a equipa tinha em mãos. Posicionou-se atrás de Ronaldo e não se escondeu, chamou a si a responsabilidade.

Ricardo Quaresma - 7

Às vezes faz falta este bom egocentrismo do extremo do Besiktas. Ele entra em campo sem se importar com o adversário, a quem o olha de lado. É bom esse descaramento, mal entrou ganhou dois cantos e explicou aos defesas espanhóis que não podiam gritar vitória antes do tempo - e não é que ele tinha razão? Não é jogador para para os 90 minutos, e ele sabe-o, mas é preponderante nestas situações de aperto.

André Silva - 4

Mal entrou a Espanha apoderou-se da posse de bola. Mas deu tudo, com imensa alma, disputando todos os lances como se fossem os últimos.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.