Ultramaratonista ribatejano corre entre Barcelona e Faro

Atleta de Salvaterra de Magos partiu pelas 09h00 desta terça-feira e vai percorrer 1324 quilómetros.

O ultramaratonista João Paulo Félix, de 47 anos, iniciou nesta terça-feira uma corrida entre o porto de Barcelona, em Espanha, e a cidade portuguesa de Faro, numa distância total de 1324 quilómetros.

O atleta natural de Várzea da Fresca, no concelho de Salvaterra de Magos, distrito de Santarém, partiu pelas 09h00 e vai passar por cidades como Tarragona, Valência, Jaén, Córdoba, Sevilha e Huelva, de onde depois percorre os últimos quilómetros até à meta. Vai fazer esta aventura sem quaisquer apoios, mas todas as ajudas serão bem-vindas, nomeadamente ao nível financeiro e contactos de locais para comer e dormir.

"Escolhi a música Ilumina-me de Pedro Abrunhosa como 'música oficial' da travessia. Entre outras estratégias de motivação, é esta música que vou ouvir para me dar força quando o corpo estiver a fraquejar, quando tiver os pés rebentados, quando a fome e a sede apertar e não tiver nada para comer nem beber, quando tiver de encostar-me numa valeta para dormitar, quando as lágrimas correrem pelo rosto, quando a força mental morar num corpo em falência. Não vai ser fácil mas vou conseguir!", conta o atleta na sua página no Facebook.

Em 2017, João Paulo Félix participou em dois grandes desafios. Em agosto percorreu toda a Estrada Nacional 2 entre Chaves e Faro, tendo feito 739 quilómetros em 14 dias. Posteriormente, em dezembro de 2017, fez a Volta ao Ribatejo, a uma distância de 280 quilómetros. Em declarações ao jornal ribatejano O Mirante em agosto de 2017, o sociólogo contou que sempre que realizar uma prova com mais de 42 quilómetros associa-se a uma causa solidária, e desta vez conta promover o blogue Claramente Asperger, que pretende dar a conhecer esta síndrome relacionada com o autismo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.