Ultramaratonista ribatejano corre entre Barcelona e Faro

Atleta de Salvaterra de Magos partiu pelas 09h00 desta terça-feira e vai percorrer 1324 quilómetros.

O ultramaratonista João Paulo Félix, de 47 anos, iniciou nesta terça-feira uma corrida entre o porto de Barcelona, em Espanha, e a cidade portuguesa de Faro, numa distância total de 1324 quilómetros.

O atleta natural de Várzea da Fresca, no concelho de Salvaterra de Magos, distrito de Santarém, partiu pelas 09h00 e vai passar por cidades como Tarragona, Valência, Jaén, Córdoba, Sevilha e Huelva, de onde depois percorre os últimos quilómetros até à meta. Vai fazer esta aventura sem quaisquer apoios, mas todas as ajudas serão bem-vindas, nomeadamente ao nível financeiro e contactos de locais para comer e dormir.

"Escolhi a música Ilumina-me de Pedro Abrunhosa como 'música oficial' da travessia. Entre outras estratégias de motivação, é esta música que vou ouvir para me dar força quando o corpo estiver a fraquejar, quando tiver os pés rebentados, quando a fome e a sede apertar e não tiver nada para comer nem beber, quando tiver de encostar-me numa valeta para dormitar, quando as lágrimas correrem pelo rosto, quando a força mental morar num corpo em falência. Não vai ser fácil mas vou conseguir!", conta o atleta na sua página no Facebook.

Em 2017, João Paulo Félix participou em dois grandes desafios. Em agosto percorreu toda a Estrada Nacional 2 entre Chaves e Faro, tendo feito 739 quilómetros em 14 dias. Posteriormente, em dezembro de 2017, fez a Volta ao Ribatejo, a uma distância de 280 quilómetros. Em declarações ao jornal ribatejano O Mirante em agosto de 2017, o sociólogo contou que sempre que realizar uma prova com mais de 42 quilómetros associa-se a uma causa solidária, e desta vez conta promover o blogue Claramente Asperger, que pretende dar a conhecer esta síndrome relacionada com o autismo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.