Ultramaratonista ribatejano corre entre Barcelona e Faro

Atleta de Salvaterra de Magos partiu pelas 09h00 desta terça-feira e vai percorrer 1324 quilómetros.

O ultramaratonista João Paulo Félix, de 47 anos, iniciou nesta terça-feira uma corrida entre o porto de Barcelona, em Espanha, e a cidade portuguesa de Faro, numa distância total de 1324 quilómetros.

O atleta natural de Várzea da Fresca, no concelho de Salvaterra de Magos, distrito de Santarém, partiu pelas 09h00 e vai passar por cidades como Tarragona, Valência, Jaén, Córdoba, Sevilha e Huelva, de onde depois percorre os últimos quilómetros até à meta. Vai fazer esta aventura sem quaisquer apoios, mas todas as ajudas serão bem-vindas, nomeadamente ao nível financeiro e contactos de locais para comer e dormir.

"Escolhi a música Ilumina-me de Pedro Abrunhosa como 'música oficial' da travessia. Entre outras estratégias de motivação, é esta música que vou ouvir para me dar força quando o corpo estiver a fraquejar, quando tiver os pés rebentados, quando a fome e a sede apertar e não tiver nada para comer nem beber, quando tiver de encostar-me numa valeta para dormitar, quando as lágrimas correrem pelo rosto, quando a força mental morar num corpo em falência. Não vai ser fácil mas vou conseguir!", conta o atleta na sua página no Facebook.

Em 2017, João Paulo Félix participou em dois grandes desafios. Em agosto percorreu toda a Estrada Nacional 2 entre Chaves e Faro, tendo feito 739 quilómetros em 14 dias. Posteriormente, em dezembro de 2017, fez a Volta ao Ribatejo, a uma distância de 280 quilómetros. Em declarações ao jornal ribatejano O Mirante em agosto de 2017, o sociólogo contou que sempre que realizar uma prova com mais de 42 quilómetros associa-se a uma causa solidária, e desta vez conta promover o blogue Claramente Asperger, que pretende dar a conhecer esta síndrome relacionada com o autismo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.