Simeone não pode ir para o banco na final da Liga Europa

O Comité de Apelo da UEFA rejeitou o recurso do Atlético de Madrid à suspensão de quatro jogos imposta ao treinador Diego Simeone, que falhará a final da Liga Europa, em 16 de maio, frente ao Marselha, em Lyon.

A UEFA confirmou a decisão do Comité de Controlo, Ética e Disciplina aprovada em 04 de maio, que impôs ao treinador argentino uma sanção de quatro jogos de suspensão e a multa de 10 mil euros, na sequência da expulsão frente ao Arsenal (1-1), em 26 de abril, na primeira mão das meias-finais da Liga Europa.

O treinador Diego Simeone já cumpriu um jogo de suspensão, na segunda mão com o Arsenal (1-0), em Madrid, disputado em 03 de maio, e vai cumprir o segundo dos três que faltam na final da Liga Europeia, em 16 de maio, frente ao Marselha, em Lyon.

Se o Atlético de Madrid vencer a Liga Europa, Diego Simeone também não se sentará no banco na Supertaça Europeia, em 15 de agosto, em Talin, na Estónia, com o vencedor da Liga dos Campeões, a disputar entre o Real Madrid e o Liverpool.

Diego Simeone foi punido depois de ter sido expulso pelo árbitro francês Clément Turpin na primeira mão das meias-finais com o Arsenal, em Londres, depois de ter protestado furiosamente por uma falta sobre Lucas Hernández, três minutos após a expulsão do croata Sime Vrsaljko, por duplo amarelo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.