UEFA pondera mudança do formato da Champions

Desejos de aumentar a competitividade da Champions podem reduzir para 16 equipas o número de participantes na fase de grupos

A UEFA está a ponderar alterar o formato atual da Liga dos Campeões, de modo a aumentar a competitividade da prova e limitar a entrada de equipas teoricamente mais fracas.

A informação é avançada pelo "The Guardian", que escreve que a fase de grupos, atualmente com oito grupos de quatro equipas, poderá ser transformada em "duas mini super ligas", de oito equipas cada.

As alterações só serão viáveis a partir de 2018 e visam colocar as equipas mais fortes a defrontarem-se desde o início da prova. O jogo entre Barcelona e BATE Borisov de 2008/09 é dado como um exemplo de algo que a UEFA não quer ver.

Há ainda a possibilidade de serem criadas mais eliminatórias antes da fase de grupos, de modo a definir o grupo de 16 equipas que compitam na Champions.

Estas mudanças surgem planeadas após reunião entre Chelsea, Man. United, Man. City, Arsenal e Liverpool com vista à criação de uma "Superliga Europeia", projeto que entre os clubes portugueses só contaria com o FC Porto.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.