Turquia concorre com Alemanha e formaliza candidatura para acolher Europeu

A Federação Turca de Futebol entregou esta quinta-feira à UEFA o seu dossier de candidatura à organização do Campeonato Europeu de 2024, evento ao qual também se candidatou a Alemanha.

A documentação foi entregue na sede da UEFA, em Nyon, ao secretário-geral do organismo, Theodore Theodoridis, pelo presidente da federação turca, Yildirim Demiroren.

"Estamos encantados com a apresentação desta candidatura ao Euro 2024, é a quarta vez consecutiva que nos candidatamos. Apresentamos o melhor projeto, com um apoio do governo sem precedentes. Damos todas as garantias. É a nossa hora, estamos preparados", afirmou Demiroren.

O secretário-geral da UEFA admitiu que o organismo terá de tomar "uma decisão difícil" até 27 de setembro, data em que será anunciado o vencedor.

Nas próximas semanas, a UEFA começará a avaliar os projetos e durante esta fase pode solicitar esclarecimentos às candidaturas.

A última edição da prova, na qual Portugal se sagrou campeão europeu, realizou-se em França em 2016, e a próxima, em 2020, vai realizar-se em 12 cidades, de 12 países.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...