Tribunal abre a porta do Mundial a capitão do Peru que acusou doping

O jogador alegou sempre que a substância encontrada foi consumida em chá contaminado com coca

O Supremo Tribunal da Suíça acatou hoje o apelo do futebolista internacional peruano Paolo Guerrero para jogar o Mundial2018, depois de o jogador ter sido suspenso por ter acusado positivo num controlo antidoping.

O tribunal decidiu 'congelar' a suspensão de 14 meses imposta ao capitão da seleção do Peru, que em outubro acusou após um jogo diante da Argentina, de qualificação para o Mundial, um metabolito de cocaína no organismo.

"Em resultado, Paolo Guerrero poderá participar no próximo Mundial", decidiu hoje o Supremo Tribunal, numa decisão e que o juiz teve em conta o facto de o jogador, de 34 anos, ter na Rússia a sua última oportunidade de disputar um Mundial.

O recurso para o Tribunal Federal teve em certa parte a 'colaboração' da FIFA e da Agência Mundial antidopagem, que, segundo o tribunal, não tiveram uma oposição categórica quanto à possibilidade de Guerrero disputar o campeonato do Mundo.

Esta decisão trava a suspensão do Tribunal Arbitral do Desporto (TAS), até que analise novamente o caso, e reabre a porta ao avançado na seleção, cujos 23 jogadores finais será divulgados até 04 de junho.

O Tribunal Arbitral já tinha feito saber, também hoje, que não se iria opor a uma decisão do Supremo Tribunal.

O jogador alegou sempre que a substância encontrada não potenciava a melhoria das suas prestações e que foi consumida em chá contaminado.

No Mundial2018, o Peru integra o grupo C, com França, Austrália e Dinamarca.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?