Três grandes pagaram fatura de 72M nas vendas efetuadas

Valor da transação de jogadores (284M) não corresponde aos encaixes de Benfica, FC Porto e Sporting. Despesas de intermediação e passes a terceiros explicam em parte estas menos-valias

s três grandes do futebol português realizaram vendas de jogadores em 2016-17 num total de 284 milhões de euros, mas na realidade encaixaram menos 72 milhões depois de feitas deduções relacionadas com a percentagem do passe pertencente a terceiros, comissões a empresários e aos próprios futebolistas e pagamentos ao fundo de solidariedade. As contas feitas pelo DN com base nos relatório e contas dos clubes, mostram que o Benfica, apesar de ser líder do mercado em termos de vendas, só recebeu 68% do valor total dos negócios com transações de futebolistas, o FC Porto 74,6% e o Sporting 83,6%.

O clube da Luz encaixou no exercício compreendido entre 1 de julho de 2016 e 30 de junho deste ano 138,8 milhões de euros em vendas de jogadores. Mas deste bolo só entraram nos cofres do clube 94,7 milhões de euros (não estão contemplados os negócios de Nélson Semedo e Mitroglou, feitos já depois do espaço temporal do relatório e contas). Ou seja, 44 milhões foram parar a outras mãos. Este valor tem várias explicações, dependendo de cada caso. O guarda-redes Ederson transferiu-se para o Manchester City por 40 milhões, mas o Benfica só recebeu... 16 (mais concretamente 15 979). Isto porque logo à partida o Rio Ave e a Gestifute (empresa de Jorge Mendes) detinham metade da mais-valia do negócio. Além disso, foi preciso pagar serviços de intermediação e houve uma dedução para o Mecanismo do Fundo de Solidariedade.

Outro caso é o de Lindelöf. O central sueco foi vendido ao Manchester United por 35 milhões, mas o Benfica só recebeu 23. Mais uma vez o valor foi inferior ao da transferência, pois a SAD encarnada teve de pagar serviços de intermediação, compromissos com terceiros e ainda o Mecanismo do Fundo de Solidariedade. No clube da Luz, entre outras vendas com lucros menores, há também o exemplo de Gonçalo Guedes. Vendido ao PSG por 30 milhões, deduzida a percentagem de intermediação do negócio, o lucro real foi de 26M.

No relatório e contas disponibilizado há umas semanas pelo FC Porto (ainda não entra a transferência de Depoitre) também existem dois casos que se inserem neste contexto. O avançado André Silva trocou o Dragão pelo AC Milan numa transferência avaliada em 38 milhões de euros. Mas a SAD dos dragões só encaixou 27 859. Esta diferença de 10 milhões é explicada por vários fatores - responsabilidades com o mecanismo de solidariedade, proporção do valor de venda do passe detida por terceiros (10%), valores a pagar ao jogador a título de prémio e custos de intermediação.

Rúben Neves também trocou este verão o FC Porto para se juntar ao Wolverhampton, da II Liga inglesa, clube treinado por Nuno Espírito Santo. O emblema do Championship pagou 16 milhões pela transferência, mas o lucro real foi de 12 509 milhões. A diferença de 3 490 586 milhões é explicada por custos de intermediação e pela proporção do valor de venda do passe detida por terceiros (5%).

O Sporting, como consta no relatório e contas do clube (ainda sem a transferência de Adrien), também regista uma diferença de 14,9 milhões entre o valor real das transferências que realizou (91M) e aquilo que o clube encaixou (76,1M). João Mário foi vendido ao Inter por 40 milhões, mas a SAD teve de pagar 8,88 milhões em rendimentos e gastos associados à venda. Ou seja, encaixou 31,2 milhões.

No caso de Slimani, a venda por 30,5 ao Leicester representou na realidade em 26,5 milhões, já que quatro milhões foram para gastos associados ao negócio. Outro encaixe foi garantido com a venda do central Rúben Semedo ao Villarreal por 14 milhões de euros. Deste valor, o Sporting pagou 1,6 milhões em despesas de intermediação.

Contas feitas e atendendo ao volume total do valor das transferências, o Benfica recebeu menos 44,1M, o Sporting 14,9 e o FC Porto 13,7.

Comparativo:

BENFICA

Venda de atletas - 138,8M

Valor recebido - 94,7M

FC PORTO

Venda de atletas - 54M

Valor recebido - 40,3

SPORTING

Venda de atletas - 91M

Valor recebido - 76,1M

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.