José Mourinho já tem uma avenida em Setúbal

"É a homenagem de uma cidade, de um concelho, que querem perpetuar este nome especial na que é hoje uma das mais conhecidas artérias da cidade", disse a autarca da cidade

A presidente da Câmara de Setúbal afirmou esta terça-feira que a decisão do município de atribuir o nome do técnico setubalense José Mourinho a uma avenida da cidade é uma homenagem mais do que justificada ao treinador do Manchester United.

"É a homenagem de uma cidade, de um concelho, que querem perpetuar este nome especial na que é hoje uma das mais conhecidas artérias da cidade", disse Maria das Dores Meira, antes de, juntamente com o técnico setubalense, descerrar a placa com o nome da avenida José Mourinho, junto ao Parque Urbano de Albarquel.

"A partir de hoje queremos que as pessoas digam com orgulho que vão a Setúbal passear, almoçar ou jantar, numa avenida especial, aquela avenida onde se come muito bom peixe, de onde partem os barcos para a pesca, onde flui a intensa vida de uma cidade com gentes orgulhosas da sua forte identidade e dos seus filhos diletos. Aqui, nesta avenida José Mourinho, é Setúbal que vive e se afirma", acrescentou a presidente da Câmara de Setúbal.

Maria das Dores Meira referiu-se a José Mourinho como um "filho de Setúbal, homem do mundo, personalidade global" e "um desses setubalenses que nos enchem o coração de orgulho, porque ele é mesmo especial, tem um talento especial, tem especial amor pela sua terra".

"É, porventura, o setubalense mais global de sempre, aquele que em qualquer ponto do globo é reconhecido pelo seu sucesso, pelas suas capacidades. E é mesmo de talento que falamos. O talento, que aliado ao saber e à inteligência, faz grandes homens e grandes mulheres. Este Mourinho global nunca suplantará, porém, o nosso Mourinho de Setúbal, o homem que, com o mesmo empenho e orgulho, jogou no Comércio e Indústria de Setúbal e treina hoje o Manchester United", acrescentou.

O treinador José Mourinho agradeceu a homenagem e fez questão de elogiar publicamente o trabalho realizado pela presidente da Câmara de Setúbal, felicitando-a pela recente reeleição para novo mandato.

"Em primeiro lugar queria dar-lhe os parabéns pela sua goleada já esperada. A presidente é um bom exemplo de que nem só os nascidos em Setúbal amam Setúbal e fazem alguma coisa por Setúbal", disse José Mourinho, dirigindo-se à autarca setubalense, Maria das Dores Meira, reeleita domingo, com maioria absoluta, para um terceiro mandato como presidente da Câmara de Setúbal.

"Esta avenida tem o meu nome, mas podia ter o seu, porque foi a senhora que a fez, foi a senhora que deu uma nova dinâmica à cidade e que tem feito Setúbal uma cidade cada vez melhor em tempos tão difícil para todos", acrescentou José Mourinho, revelando, em linguagem futebolística, que só não tinha feito campanha por Maria das Dores Meira "porque a goleada era tão evidente".

Referindo-se à avenida José Mourinho, antiga rua da Saúde, situada na zona ribeirinha de Setúbal, numa zona requalificada e cada vez mais frequentada, José Mourinho disse que se sentia orgulhoso com a distinção do município, mas confessou tratar-se de uma situação um pouco estranha para ele próprio.

"É uma situação um pouco estranha para mim, porque Setúbal continua a ser a única cidade onde eu me sinto eu, onde me sinto Zé, onde me sinto Zé Mário, onde eu ando na rua e as pessoas me tratam como eu gosto que me tratem, como um mais, com a simplicidade normal de Setúbal e de me fazerem sentir aquilo que eu sou: um setubalense como os outros", disse.

"Eu digo sempre que troco homenagens por vitórias. Esta é, se calhar, a única que não trocava por vitórias", acrescentou José Mourinho.

À margem da cerimónia, José Mourinho foi questionado sobre a boa carreira do Manchester United, que após sete jornadas soma seis vitória e um empate na Liga Inglesa, e fez o pleno de seis pontos em dois jogos da Liga dos Campeões, mas o técnico setubalense lembrou que os bons resultados no início do campeonato não garantem a conquista de títulos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.