Treinador do Paços e a confusão com Conceição: "Não houve cuspidela nenhuma"

O treinador do Paços de Ferreira, João Henriques, desvalorizou o episódio com Sérgio Conceição no final do jogo de futebol que o FC Porto perdeu

"Não, não houve cuspidela nenhuma. Foi só um desabafo no final do jogo, em que, como toda a gente viu, [o Sérgio Conceição] não me quis cumprimentar e desabafou naquele momento de frustração. Foi uma situação absolutamente normal, mas, como também toda a gente concorda, incorreta na questão do cumprimento. Tudo o resto são situações normais do futebol", disse hoje João Henriques, em declarações à agência Lusa.

O técnico pacense falou em "emoções do momento", próprias de um "final de jogo", e que "a situação está ultrapassada".

"Depois do jogo, nas conferências de imprensa, dissemos o que tínhamos a dizer, e, a partir de agora, é tudo normal entre dois profissionais de futebol", explicou.

João Henriques disse ainda que não é pessoa de guardar rancor e, por isso, não terá problemas em voltar a estender a mão a Sérgio Conceição numa próxima ocasião.

"É assim que entendo que deve acontecer entre colegas de profissão, as pessoas devem cumprimentar-se no final dos jogos. Para mim, é uma situação fácil de ultrapassar. Sem rancor algum", acrescentou.

Para o técnico pacense, o mais importante do jogo com o FC Porto foi o significado que a vitória (1-0) poderá ter junto da equipa nas oito jornadas que faltam disputar da I Liga.

"Este jogo pode ser o tónico para começarmos a fazer aquilo que devíamos de ter começado mais cedo, procurando aliar as exibições aos resultados. Temos já um jogo importante no Estoril Praia nesta nossa caminhada de estabilizar a equipa na tabela classificativa. Esta vitória vem dar esse alento para enfrentarmos estas últimas oito jornadas", concluiu.

O FC Porto caiu no domingo em casa do Paços de Ferreira, perdendo por 1-0 e sofrendo a primeira derrota para o campeonato, o que permitiu que o Benfica fechasse a 26.ª jornada a dois pontos e o Sporting, em caso de triunfar hoje em Chaves, ficar a cinco.

.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.