Treinador do FC Barcelona enaltece atitude "corajosa" de André Gomes

O treinador espanhol assumiu que está disponível para ajudar o internacional português "em todo os sentidos".

O treinador do FC Barcelona, Ernesto Valverde, afirmou hoje que o futebolista português André Gomes foi "corajoso" ao assumir que está a viver "num inferno" devido às críticas dos adeptos e da imprensa catalã.

"É um ato corajoso reconhecer o que está a viver. Todos os jogadores e treinadores têm sempre medo de transmitir insegurança e fraqueza. Fazer isso é corajoso. Todos passam por essas fases. Há que enfrentar e seguir em frente", disse Valverde em Camp Nou, na conferência de imprensa da antevisão do duelo de quarta-feira com o Chelsea, dos oitavos de final da Liga dos Campeões.

Todos os jogadores e treinadores têm sempre medo de transmitir insegurança e fraqueza. Fazer isso é corajoso

O treinador espanhol assumiu que está disponível para ajudar o internacional português "em todo os sentidos". "Falei com ele várias vezes. O treinador está sempre pronto para ajudar", referiu.

No mesmo evento, o médio Busquets admitiu que os jogadores do FC Barcelona não tinham "conhecimento" que a situação de André Gomes "é mais grave" e lembrou que a equipa deve "estar sempre unida".

"Sabíamos que algo se estava a passar, mas ao ponto em que está, já que é um tema pessoal. Tentamos ajudá-lo em tudo o que é possível. Devemos estar todos unidos se queremos ganhar títulos", disse o internacional espanhol.

Na segunda-feira, André Gomes admitiu que não se sente bem em campo e que não tem prazer naquilo que pode fazer, em entrevista à revista Panenka.

"Não me sinto bem em campo, não estou a desfrutar daquilo que posso fazer", considerou o médio, de 24 anos, antigo jogador do Benfica, e que em 2016 trocou o Valência pelo FC Barcelona, clube em que tem tido uma presença irregular.

O jogador justificou o estado de ânimo com alguma pressão, que o impede de mostrar o seu futebol.

"Os primeiros seis meses foram muito bons, mas a coisas mudaram. Talvez a palavra não seja a mais correta, mas tornou-se um pouco um inferno, porque comecei a ter mais pressão", justificou o futebolista.

O português não tem sido imune aos assobios que às vezes ouve em Camp Nou, admitindo existir uma ferida que não sabe como cicatrizar.

"Pensar muito faz-me mal. Penso em coisas más e, depois, no que tenho que fazer, e estou sempre a reboque. Ainda que os meus companheiros me apoiem bastante, as coisas não me saem como eles querem que saiam", disse.

Nos treinos o jogador revela que se sente "tranquilo" e "confortável" com a equipa, fora dos 'holofotes' e sem a presença do público, mas que um jogo mau o deixa a pensar, e aí até nos treinos se reflete.

O médio admitiu ainda que não vive bem com esse sentimento e que se fecha nele próprio.

"Não me permito lidar com a frustração que tenho. Então, o que faço é não falar com ninguém, não incomodar ninguém. É como se me sentisse envergonhado", esclareceu.

O futebolista referiu mesmo que em mais de uma ocasião teve "medo de sair à rua", porque as pessoas o poderiam encarar.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.