Treinador do FC Barcelona enaltece atitude "corajosa" de André Gomes

O treinador espanhol assumiu que está disponível para ajudar o internacional português "em todo os sentidos".

O treinador do FC Barcelona, Ernesto Valverde, afirmou hoje que o futebolista português André Gomes foi "corajoso" ao assumir que está a viver "num inferno" devido às críticas dos adeptos e da imprensa catalã.

"É um ato corajoso reconhecer o que está a viver. Todos os jogadores e treinadores têm sempre medo de transmitir insegurança e fraqueza. Fazer isso é corajoso. Todos passam por essas fases. Há que enfrentar e seguir em frente", disse Valverde em Camp Nou, na conferência de imprensa da antevisão do duelo de quarta-feira com o Chelsea, dos oitavos de final da Liga dos Campeões.

Todos os jogadores e treinadores têm sempre medo de transmitir insegurança e fraqueza. Fazer isso é corajoso

O treinador espanhol assumiu que está disponível para ajudar o internacional português "em todo os sentidos". "Falei com ele várias vezes. O treinador está sempre pronto para ajudar", referiu.

No mesmo evento, o médio Busquets admitiu que os jogadores do FC Barcelona não tinham "conhecimento" que a situação de André Gomes "é mais grave" e lembrou que a equipa deve "estar sempre unida".

"Sabíamos que algo se estava a passar, mas ao ponto em que está, já que é um tema pessoal. Tentamos ajudá-lo em tudo o que é possível. Devemos estar todos unidos se queremos ganhar títulos", disse o internacional espanhol.

Na segunda-feira, André Gomes admitiu que não se sente bem em campo e que não tem prazer naquilo que pode fazer, em entrevista à revista Panenka.

"Não me sinto bem em campo, não estou a desfrutar daquilo que posso fazer", considerou o médio, de 24 anos, antigo jogador do Benfica, e que em 2016 trocou o Valência pelo FC Barcelona, clube em que tem tido uma presença irregular.

O jogador justificou o estado de ânimo com alguma pressão, que o impede de mostrar o seu futebol.

"Os primeiros seis meses foram muito bons, mas a coisas mudaram. Talvez a palavra não seja a mais correta, mas tornou-se um pouco um inferno, porque comecei a ter mais pressão", justificou o futebolista.

O português não tem sido imune aos assobios que às vezes ouve em Camp Nou, admitindo existir uma ferida que não sabe como cicatrizar.

"Pensar muito faz-me mal. Penso em coisas más e, depois, no que tenho que fazer, e estou sempre a reboque. Ainda que os meus companheiros me apoiem bastante, as coisas não me saem como eles querem que saiam", disse.

Nos treinos o jogador revela que se sente "tranquilo" e "confortável" com a equipa, fora dos 'holofotes' e sem a presença do público, mas que um jogo mau o deixa a pensar, e aí até nos treinos se reflete.

O médio admitiu ainda que não vive bem com esse sentimento e que se fecha nele próprio.

"Não me permito lidar com a frustração que tenho. Então, o que faço é não falar com ninguém, não incomodar ninguém. É como se me sentisse envergonhado", esclareceu.

O futebolista referiu mesmo que em mais de uma ocasião teve "medo de sair à rua", porque as pessoas o poderiam encarar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

JAIME NOGUEIRA PINTO

O arauto da revolta popular

Rejeição. Não é, por enquanto, senão isso. Não pelos reaccionários, pelos latifundiários, pelos generais golpistas, pelos fascistas declarados ou encapotados, mas pelo povo brasileiro, que vota agora contra a esquerda dita idealista - e notoriamente irrealista quanto à natureza humana (sobretudo à própria) - que montou um "mecanismo" de enriquecimento ilícito e de perpetuação no poder digno dos piores hábitos do coronelismo e do caciquismo que os seus antepassados ideológicos, de Josué de Castro a Celso Furtado, tanto criticaram. Um povo zangado, enganado, roubado, manipulado pelos fariseus da tolerância, dos direitos humanos e das flores de retórica do melhor dos mundos, pelos donos de tudo - do pensamento único aos recursos do Estado.