Torre Eiffel pode 'vestir' cores de Portugal

A iluminação vai começar dez minutos após o apito final do último jogo de cada dia e vai durar 15 minutos

A Torre Eiffel poderá 'vestir' as cores de Portugal durante o Euro2016 de futebol se os adeptos da equipa portugueasa dominarem nas redes sociais nos dias dos jogos, disse à Lusa Hermano Sanches Ruivo, vereador-executivo de Paris.

"Durante o dia vai haver vários jogos e as pessoas vão poder comentar nas redes sociais. No final do dia, após o apito final da última partida, a Orange [operadora móvel] conta as mensagens com a 'hashtag' #Por e as cores do país com mais votos vão iluminar a Torre Eiffel", explicou Hermano Sanches Ruivo.

A iluminação vai começar dez minutos após o apito final do último jogo e vai durar 15 minutos. O país selecionado será aquele que tenha tido mais mensagens de apoio dos adeptos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter, através das iniciais do país, como #Por para Portugal, #Fra para França ou #Eng para Inglaterra.

Hermano Sanches Ruivo explicou que haverá, por isso, "a possibilidade de ver as cores da seleção várias vezes", porque há muitos portugueses em França.

Por outro lado, vai ser pendurada uma bola gigante de 12 metros de diâmetro entre o primeiro e o segundo andar da Torre Eiffel, na qual vão ser projetadas algumas mensagens e vídeos do dia.

No Champ de Mars, junto à Torre Eiffel, vai ser instalada uma fan-zone que com capacidade para 92.000 adeptos e que vai contar com um stand da associação de lusodescendentes Cap Magellan.

As cores de Portugal vão também decorar um contentor nas margens do rio Sena, ao lado de outras seleções, devendo o espaço português ser explorado pela Casa do Benfica em Paris, disse à Lusa Cândido Faria, secretário-geral da associação.

"A Câmara de Paris pôs à disposição para cada país um contentor e a Casa do Benfica vai explorar o contentor que lá vai ser colocado e vender camisolas da seleção, entre outras coisas. Além disso, a Casa do Benfica vai estar aberta em cada jogo", explicou Cândido Faria.

Também o café cultural Lusofolie's, em Paris, se prepara para receber o Euro, com a projeção dos jogos de Portugal acompanhada por "bifanas e saladas de povo", explicou à Lusa João Heitor, o diretor artístico do espaço.

"Vamos dar o apoio à seleção portuguesa e francesa. Vai haver um ecrã gigante e sobretudo muita alegria. Vamos ter uns leitões assados, caldos verdes, muita alegria e estou a pensar fazer uns fados, guitarradas e concertinas. Os jogadores têm um calendário muito rigoroso mas vou tentar convidá-los para vir aqui beber um copo", afirmou entusiasticamente João Heitor.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.