Torre Eiffel pode 'vestir' cores de Portugal

A iluminação vai começar dez minutos após o apito final do último jogo de cada dia e vai durar 15 minutos

A Torre Eiffel poderá 'vestir' as cores de Portugal durante o Euro2016 de futebol se os adeptos da equipa portugueasa dominarem nas redes sociais nos dias dos jogos, disse à Lusa Hermano Sanches Ruivo, vereador-executivo de Paris.

"Durante o dia vai haver vários jogos e as pessoas vão poder comentar nas redes sociais. No final do dia, após o apito final da última partida, a Orange [operadora móvel] conta as mensagens com a 'hashtag' #Por e as cores do país com mais votos vão iluminar a Torre Eiffel", explicou Hermano Sanches Ruivo.

A iluminação vai começar dez minutos após o apito final do último jogo e vai durar 15 minutos. O país selecionado será aquele que tenha tido mais mensagens de apoio dos adeptos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter, através das iniciais do país, como #Por para Portugal, #Fra para França ou #Eng para Inglaterra.

Hermano Sanches Ruivo explicou que haverá, por isso, "a possibilidade de ver as cores da seleção várias vezes", porque há muitos portugueses em França.

Por outro lado, vai ser pendurada uma bola gigante de 12 metros de diâmetro entre o primeiro e o segundo andar da Torre Eiffel, na qual vão ser projetadas algumas mensagens e vídeos do dia.

No Champ de Mars, junto à Torre Eiffel, vai ser instalada uma fan-zone que com capacidade para 92.000 adeptos e que vai contar com um stand da associação de lusodescendentes Cap Magellan.

As cores de Portugal vão também decorar um contentor nas margens do rio Sena, ao lado de outras seleções, devendo o espaço português ser explorado pela Casa do Benfica em Paris, disse à Lusa Cândido Faria, secretário-geral da associação.

"A Câmara de Paris pôs à disposição para cada país um contentor e a Casa do Benfica vai explorar o contentor que lá vai ser colocado e vender camisolas da seleção, entre outras coisas. Além disso, a Casa do Benfica vai estar aberta em cada jogo", explicou Cândido Faria.

Também o café cultural Lusofolie's, em Paris, se prepara para receber o Euro, com a projeção dos jogos de Portugal acompanhada por "bifanas e saladas de povo", explicou à Lusa João Heitor, o diretor artístico do espaço.

"Vamos dar o apoio à seleção portuguesa e francesa. Vai haver um ecrã gigante e sobretudo muita alegria. Vamos ter uns leitões assados, caldos verdes, muita alegria e estou a pensar fazer uns fados, guitarradas e concertinas. Os jogadores têm um calendário muito rigoroso mas vou tentar convidá-los para vir aqui beber um copo", afirmou entusiasticamente João Heitor.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.